Links de Acesso

George H. W. Bush: Líderes mundiais destacam diálogo, decência e engajamento no multilarismo


George H. W. Bush (esq) e Mikhail Gorbachev (dir), Moscovo

De Gorbatchov a Guterres, de May a Putin, de Macron a Rebelo de Sousa e FHC

A morte do antigo Presidente Americano George W. Bush na sexta-feira, 30, provocou reacções em todo o mundo.

Um dos líderes políticos com quem protagonizou um dos momentos marcantes da segunda metade do século 20, o antigo Presidente da União Soviética, Mikhail Gorbatchov, lembrou que foi um tempo de grande mudança e que exigiu uma grande responsabilidade de todos.

“O resultado foi o final da Guerra Fria e a corrida ao armamento nuclear", disse Gorbatchov à agência noticiosa Interfax.

Mikhail Gorbatchov
Mikhail Gorbatchov

O último líder soviético acrescentou que ele e a sua esposa, Raisa, estão "profundamente agradecidos à atenção, bondade e simplicidade típica de George e Barbara Bush, assim como ao resto da sua grande e amigável família".

Putin fala em sabedoria política

Em Buenos Aires, onde já se encontrava, o Presidente da Rússia enviou uma mensagem ao filho, o também antigo Presidente George W. Bush.

“Querido George, receba as minhas mais profundas condolências pelo falecimento do seu pai", referiu Putin, destacado o facto de ter morrido "um homem extraordinário, que toda a sua vida serviu fielmente ao seu país, durante a guerra, com as armas na mão e, em tempos de paz, em cargos públicos de grande responsabilidade".

Vladimir Putin
Vladimir Putin

O chefe do Kremlin acrescentou que Bush liderou nos Estados Unidos "uma das etapas mais importantes da história mundial, fez gala de sabedoria política e perspicácia e tomava decisões muito ponderadas, mesmo nas situações mais complexas".

Por seu lado, o Presidente francês, Emmanuel Macron, também enviou condolências à nação e à família.

Para ele George H. W. Bush "era um grande líder e um firme apoiante da aliança com a Europa. Nossos pensamentos vão para a sua família e entes queridos".

Amigo do Reino Unido

Do Reino Unido, a primeira-ministra britânica, Theresa May destacou George H. W. Bush como "um grande estadista e um verdadeiro amigo" do seu país cujo compromisso com o serviço público "era o fio condutor da sua vida e um exemplo para todos".

Theresa May
Theresa May

Quem também reagiu foi o antigo primeiro-ministro britânico, John Major (1990 a 1997), que se relacionou com o antigo Presidente Bush.

“Ele viu a obrigação dos Estados Unidos para com o mundo e a honrou", disse Major, que se considera privilegiado se ter tornado um amigo de longa data.

“Ele era simplesmente uma das pessoas mais profundamente decentes que eu já conheci", sublinhou Mayor.

António Guterres
António Guterres

Guterres destaca compaixão com serviço público.

De Portugal, o Chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou “a bravura do antigo oficial da Marinha e também a solidez de carácter do antigo Presidente norte-americano, que se traduziu numa maneira determinada de fazer política, sem nunca perder o respeito por quem defendia ideias diferentes".

Por seu lado, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembra o trabalho "com compaixão" no âmbito das Nações Unidas, de George H.W. Bush.

"Começo com a sua posição como representante permanente nas Nações Unidas em 1971 e continuando com sua nomeação como enviado especial do secretário-geral da ONU para o desastre causado pelo terremoto no sul da Ásia em 2005, George H. W. Bush trabalhou produtivamente com e através das Nações Unidas", escreveu Guterres no Twitter.

O líder da ONU afirmou ter ficado consistentemente impressionado com sua compaixão, seu instinto de moderação e compromisso com o serviço público".

O antigo Presidente brasileiro, Fernando Henrique Cardoso, esteve com George H. W. Bush um par de vezes e destacou que ele sabia que “a paz e o multilateralismo contam”.

“Um republicano conservador, à antiga: civilizado. Percebeu a importância da China. Nunca foi um “cruzado”, escreveu FHC.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG