Links de Acesso

George Floyd: corpo em Houston para serviço fúnebre público


Manifestante enverga máscara facial onde se lê: Racismo é vírus

Hoje milhares de pessoas são esperadas em Hosuton durante o período em que o corpo de George Floyd estará em câmara ardente. A morte de Floyd, um africano-americano, às mãos dum polícia branco, em Minneapolis, gerou semanas de protestos contra a brutalidade policial em cidades do país e em outras partes do mundo.

O funeral e o enterro de Floyd ocorrerão na terça-feira. Um assessor do ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden disse que o candidato democrata à presidência planeia viajar para Houston para se encontrar com a família de Floyd e transmitir uma mensagem em vídeo no funeral.

No domingo, o presidente Donald Trump ordenou que as tropas da Guarda Nacional iniciassem a retirada da capital do país depois de terem sido enviadas para lá para ajudar na resposta aos protestos.

Saques semelhantes aconteceram em outros estados, com protestos ocorridos nos últimos dias, com poucos confrontos entre manifestantes e autoridades.

Trump sempre expressou seu apoio ao que ele chama de "lei e ordem" e, em um tweet no domingo, criticou aqueles que querem ver os departamentos de polícia com seus orçamentos reduzidos ou totalmente eliminados.

Quero excelente e bem pagos (agentes) da lei e da ordem . Quero LEI E ORDEM! ” disse Trump.

O senador Mitt Romney, membro do Partido Republicano de Trump, juntou-se a manifestantes em Washington durante uma marcha no domingo, a primeira instância conhecida de um legislador republicano participando nas manifestações nas últimas duas semanas. Romney twittou várias fotos junto com a legenda "Black Lives Matter". Uma foto era uma selfie entre os manifestantes carregando cartazes que incluíam as mensagens “O RACISMO MATA” e “SEJA JUSTO, AME COMPAIXÃO, CAMINHE HUMILDEMENTE”. "Precisamos de uma voz contra o racismo, precisamos de muitas vozes contra o racismo e contra a brutalidade", disse ele à NBC News.

Desmantelar a polícia de Minneapolis

Em Minneapolis, onde Floyd, de 46 anos, morreu a 25 de maio, depois que um policia branco o segurou de bruços na rua e pressionou um joelho no seu pescoço por vários minutos, nove dos 12 membros do conselho da cidade comprometeram-se a desmantelar a polícia da cidade. Departamento.

O presidente camarário Jacob Frey, que apoiou a acusação contra o agente que detive Floyd, disse aos manifestantes que era a favor da reforma do departamento, em vez de aboli-lo completamente. A multidão reunida em frente à sua casa recebeu a resposta com vaias. Frey disse ao jornal Star Tribune no domingo: "As pessoas continuam a exigir serviços de várias formas em nossos departamentos de segurança pública, seja em tempos de violência doméstica ou assistência em algumas das condições mais difíceis". O conselho da cidade votou na semana passada a proibição da polícia de usar estrangulamentos e restrições de pescoço.

Milhares de pessoas continuaram os protestos no domingo em outras partes do país, inclusive em Los Angeles, onde o presidente camarário prometeu cortar o orçamento do departamento de polícia como parte de um esforço para investir em programas comunitários. Os manifestantes também protestaram no domingo em grandes cidades como Nova Iorque, Chicago e Atlanta, onde os líderes levantaram o recolher obrigatório noturno. O presidente camarário da cidade de Nova Iorque, Bill de Blasio, disse no domingo que o seu governo planeia transferir uma quantia não especificada de financiamento do departamento de polícia para “iniciativas juvenis e serviços sociais.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG