Links de Acesso

Falta de anti-retrovirais em Cabinda põe em perigo portadores de HIV-Sida


Medicamentos anti-retrovirais (Foto de Arquivo)

Crise arrasta-se desde Outubro e há que informações que produtos estão retidos em Luanda por falta de transporte

Doentes portadores de HIV-Sida na província angolana de Cabinda queixam-se da inexistência de medicamentais anti-retrovirais e, por isso, muitos suspenderam o tratamento por falta de medicamentos.

Falta de anti-retrovirais em Cabinda – 2:50
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:50 0:00

Alguns deles disseram à VOA que desde Outubro há uma ruptura dos stocks desses medicamentos.

Uma situação sem fim à vista e que está a obrigar muitos doentes a substituírem os retrovirais com doses de Bactrim.

“O que nos inquieta é mesmo a falta de medicação, estamos a sobreviver com o Bactrim que recebemos das madres”, afirma uma paciente.

“Estamos a receber Bactrim, medicamento de segunda linha”, acrescenta outra outra paciente que lamenta a falta de anti-retrovirais em Cabinda.

Marta Tembo, coordenadora do Centro Irmãs Maria Imaculada, afecto à Diocese de Cabinda, diz temer que muitas crianças possam vir a nascer com HIV por causa da falta de anti-retrovirais para as mães infectadas.

“A questão dos fármacos é uma situação que nos está a dar muita dor de cabeça”, sublinha Tembo, afirmando que a falta dos medicamentos se regista desde o ano passado.

Pepfar Angola investe nas províncias e procura mais financiamento para controlar o vírus da SIDA
please wait

No media source currently available

0:00 0:08:12 0:00

"Disseram-nos que os fármacos estão em Luanda e que não há transporte e, eu pergunto: como é que vamos ter crianças a nascerem livres para brilhar se as mães grávidas não tomam anti-retrovirais desde Outubro do ano passado?”, interroga-se Tempo, lançando depois um apelo “ao Presidente da República e à primeira-dama que se preocupassem com a situação”.

A religiosa disponibilizou-se a deslocar-se a Luanda para levar os fármacos para Cabinda.

“Temos medo que daqui a algum tempo teremos mais crianças seropositivas por causa dessa situação”, conclui.

Por seu lado, Maria Nhumga, madrinha do projecto “Nascer livre para brilhar”, lamenta a situação de falta de anti-retrovirais em Cabinda e pede ao Governo a aquisição célere de anti-retrovirais.

“Não se desanimem porque mais dias, menos dias o medicamento virá”, afirma.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG