Links de Acesso

Etiópia: o teste eleitoral de Abiy Ahmed


Uma eleitora etíope vota nas eleiçōes de 21 Junho 2021.

Adis Abeba (Etiópia) - A Etiópia vota nesta segunda-feira no maior teste eleitoral de sempre para o Primeiro-Ministro Abiy Ahmed, pois a insegurança e questões logísticas significavam que nãose votará em mais de 100 círculos eleitorais dos 547 em todo o país.

A eleição, adiada desde o ano passado, é a peça central de uma reforma impulsionada por Abiy, cuja ascensão ao poder em 2018 parecia assinalar uma ruptura com décadas de governo autoritário e levou ao seu Prémio Nobel da Paz no ano seguinte. Ele descreveu a eleição como "a primeira tentativa da nação de realizar eleições livres e justas".

Podiam ser vistas longas filas de eleitores em algumas partes da capital, Adis Abeba, enquanto a segurança foi reforçada no segundo país mais populoso de África. Havia veículos militares foram estacionados em locais chave da capital. Espera-se que 37 milhões de etíopes votem.

Espera-se que o partido governante Prosperity Party, formado em 2019 pela fusão dos grupos que constituíam a anterior coligação governante, cimente o seu poder. O partido que ganhar a maioria dos lugares na Câmara dos Representantes dos Povos formará o próximo governo.

Grupos da oposição acusaram o partido governante da Etiópia de assédio, manipulação e ameaças de violência que ecoam abusos do passado. Alguns destacados partidos da oposição boicotaram as eleições. Outros dizem que foram impedidos de fazer campanha em várias partes do país.

Abiy enfrenta crescentes críticas internacionais sobre a guerra na região de Tigray do norte da Etiópia, desencadeadas em parte porque os líderes agora fugitivos de Tigray se opuseram a que a Etiópia adiasse as eleições no ano passado, citando a COVID-19. Não foi fixada qualquer data para a votação nos 38 círculos eleitorais de Tigray.

Os antigos líderes de Tigray, que estão a combater as forças etíopes e os da vizinha Eritreia, relataram um novo e feroz combate nos últimos dias. As forças de defesa da Etiópia chamaram aos combates um desafio devido ao terreno acidentado. Milhares de civis foram mortos no que os observadores descrevem como uma guerra de guerrilha arrastada.

Entretanto, surtos de violência étnica mataram centenas de pessoas nas regiões de Amhara, Oromia e Benishangul-Gumuz nos últimos meses.

A preocupação internacional tem vindo a aumentar com as eleições. Os EUA afirmaram estar "seriamente preocupados com o ambiente sob o qual estas próximas eleições se irão realizar", e a União Europeia afirmou que não irá observar a votação após os seus pedidos de importação de equipamento de comunicações terem sido negados.

Em resposta, a Etiópia afirmou que os observadores externos "não são essenciais nem necessários para certificar a credibilidade de uma eleição", embora desde então tenha acolhido favoravelmente os observadores destacados pela União Africana.

O secretário-geral das Nações Unidas registou o ambiente "desafiante" e advertiu contra actos de violência.

O Partido da Prosperidade de Abiy registou 2.432 candidatos nas eleições. O próximo maior partido, o Ethiopian Citizens for Social Justice (Cidadãos Etíopes pela Justiça Social), registou 1.385 candidatos. Concorreram um total de 47 partidos.

(AP)

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG