Links de Acesso

Especialistas guineenses apontam caminhos para redução da dependência da ajuda estrangeira


Castanha do caju, Guiné-Bissau

Diversificação da economia e estabilidade política devem ser apostas do país

Guiné-Bissau é apontado como um dos países da África Ocidental com uma acentuada dependência da ajuda externa à sua economia.

Vários relatórios internacionais apontam que o país, cuja economia depende da comercialização da castanha de caju, não tem conseguido financiar os seus orçamentos anuais.

Especialistas guineenses apontam caminhos para redução da dependência da ajuda estrangeira
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:34 0:00

O país continua a ser um dos mais dependentes da ajuda externa, não obstante o aumento do Produto Interno Bruto situar-se na ordem dos cinco por cento em 2019 e 2020, de acordo com o Fundo Monetário Internacional.

A Guiné-Bissau continua, como sempre, a não conseguir financiar sozinho o seu Orçamento Geral de Estado, numa altura em que a sua dívida externa ronda os 80 por cento.

Por exemplo, para suportar o seu orçamento do ano 2020-2021, o Governo apresentou um défice de 42 por cento, ou seja de 234 milhões de dólares americanos, dos 556 milhões necessários.

“Para fazer face a esta situação, o país tem que produzir, desenvolver o sector industrial, reformular o sistema do ensino, o sistema fiscal, ter uma estratégia nacional de desenvolvimento e diversificar a sua economia”, aponta o economista Aliu Soares Cassamá, para quem “também, precisa evitar o endividamento desenfreado, nomeadamente endividar para pagar salário, ao invés do investimento público".

Em concorrência a este cenário, está também a dívida pública da Guiné-Bissau, acrescenta o também economista Santos Fernandes, quem afirma que “o problema não está propriamente relacionado à dívida, em si, mas tem a ver com a gestão da dívida”.

Aliás, sublinha, “uma coisa é contrair a dívida e fazer boa gestão desta dívida, outra coisa é não ter uma dívida pública acentuada, mas o pouco que se tem arrecadado, não é bem gerido".

Ainda na perspectiva de reduzir a dependência externa, Aliu Soares Cassamá fala na estruturação da economia nacional, através do investimento no capital humano e a exploração das riquezas naturais existentes.

“Quando a riqueza que está no nosso subsolo for transformada em riqueza à superfície, com boas escolas, boas universidades, bons hospitais, com capital humano altamente qualificado, então poderemos dizer que a nossa economia está bem estruturado”, acentua Soares.

Outro aspecto a ter em conta é o ambiente político que, segundo Santos Fernandes, “não ajuda o país a sacudir o seu crónico fardo económico”.

“Quando o ambiente político não é favorável acaba por ter reflexos em termos de arrecadação das receitas, quer fiscais quer aduaneiras, e essa falta de capacidade de arrecadação acaba por impactar no financiamento do Orçamento Geral do Estado a nível interno”, sustenta.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG