Links de Acesso

Escolha de um juíz para o Supremo Tribunal agita eleições americanas


Multidão em frente ao Supremo Tribunal após o anúncio da morte de Ruth Bader Ginsburg

A uma semana do primeiro debate presidencial, a cena política americana está a atravessar um novo período de agitação agora devido à morte da juíza do Supremo Tribunal, Ruth Bader Ginsburg.

Nos Estados Unidos, o Presidente nomeia os juizes para o Supremo Tribunal que têm um mandado vitalício e essa nomeação tem que ser aprovada pelo Senado que realiza audiências com o candidato.

Escolha de um juíz para o Supremo Tribunal agitam eleições americanas - 4:38
please wait

No media source currently available

0:00 0:04:38 0:00

Se no passado era normal os candidatos terem votos bi-partidários ao serem aprovados, a radicalização de posições nos últimos anos torna isso quase uma impossibilidade.

A pouco mais de um mês das eleições presidenciais e legislativas marcadas por discussões rancorosas de ambas as partes, a morte de Ginsburg e a nomeação de um novo juíz vai sem dúvida servir para aprofundar mais essas divisões.

Sharon Bream, que cobre o Supremo Tribunal para a cadeia de televisão Fox News, disse que esta nomeação tem um impacto maior do que as anteriores porque “isto é substituir a mais alta e forte líder do bloco liberal no tribunal nas últimas décadas por alguém que terá ideias filosóficas e judiciais completamente diferentes sobre como interpretar a constituição e o texto das leis”.

“(Quem for nomeado pelo presidente terá) uma filosofia totalmente diferente e portanto será substancialmente uma mudança maciça para o tribunal que está dividido nas principais questões”, acrescentou.

A morte de Gisburg deverá também mudar, pelo menos a curto prazo, o debate público e aqueles entre os dois candidatos

As últimas semanas da campanha eleitoral têm estado concentradas nas manifestações violentas que eclodiram em algumas partes do país, nas acusações de racismo institucional e na pandemia do coronavírus.

A dizer contudo que nas sondagens todos esses debates pouco ou mesmo nada modificaram o apoio de um e outro candidato.

Rahm Emmanuel, que foi chefe de gabinete do Presidente Barack Obama, diz que a introdução do novo tema não trará modificações.

“Eu penso que isto vai ter mais impacto nas eleições para o Senado do que na eleição presidencial”, disse.

Ao falar no mesmo programa na cadeia de televisão ABC , Chris Christie antigo governador republicano de Nova Jérsia não concorda e afirma que terá impacto nas eleições para o Senado, mas irá também afetar a corrida presidencial.

Para Christie, esta questão traz para o centro do debate a pergunta sobre em quem é que o eleitorado confia para escolher um possível novo juíz.

“Vai dar às pessoas muito que conversar antes do debate e penso que o debate (entre Donald Trump e Joe Biden) será agora um pouco diferente”, disse Christie.

O primiero debate presidencial é no próximo dia 29.

Não há qualquer dúvida agora que o Presidente vai anunciar a sua escolha ns próximos dias, independentemente da oposição dos democratas que argumentam que deverá ser o próximo Presidente a escolher o candidato ao tribunal.

Depois da escolha ser anunciada, caberá ao líder do Senado estabelecer um calendário para o debate e votação.

A seis semanas das eleições este processo terá que ser feito rapidamente.

Caso contrário, pode-se ter um cenário em que se os democratas ganharem o controlo do Senado nas eleições, tendo em conta que a posse dos senadores será só em Janeiro, uma maioria já derrotada irá escolher o novo juiz, que já se sabe será uma juíza.

E isso seria algo de inédito na história dos Estados Unidos.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG