Links de Acesso

Embaixada dos EUA condena ataque ao “Canal de Moçambique” e pede investigação 


Redação do Canal de Moçambique incendiada em Maputo

A Embaixada dos Estados Unidos da América “condena veementemente um alegado ataque incendiário na sede do Canal de Moçambique, um importante jornal independente em Moçambique”.

A redação do “Canal de Moçambique” foi incendiada, no domingo, 23, por desconhecidos, no que o seu editor-executivo, Matias Guente, descreveu como "ato terrorista”.

Canal Moz destruído por incêndio
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:01 0:00

“Instamos as autoridades moçambicanas relevantes a conduzir uma investigação exaustiva para assegurar que os responsáveis pelo fogo posto sejam levados à justiça,” lê-se num comunicado da Embaixada.

No mesmo, a Embaixada dos EUA diz que “os danos aparentemente intencionais e extensivos nos escritórios de uma respeitada instituição de meios de comunicação social têm impacto no estado da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa em Moçambique.”

Para a missão americana, as “entidades dos meios de comunicação independentes como o Canal de Moçambique desempenham um papel crítico na construção de uma democracia funcional que depende de um fluxo de informação e de uma vibrante troca de pontos de vista e opiniões”.

Fim da impunidade...

Para outras entidades nacionais e internacionais, o incêndio, que destruiu substancialmente o material informático e outros meios da redação do “Canal de Moçambique” ameaça a democracia e liberdade de expressão no país com um histórico de violência contra jornalistas.

“Os órgãos de comunicação social independentes, como o "Canal de Moçambique" e o "Canal Moz", desempenham um papel crucial para a democracia no país, diz a Delegação da União Europeia em Maputo.

O comunicado União Europeia , que também pede “celeridade na investigação”, realça que “a liberdade de imprensa e a liberdade de expressão em todas as suas formas são liberdades fundamentais que devem ser universalmente respeitadas”.

Para o Comité para a Proteção de Jornalistas (CPJ), com sede em Nova Iorque, o incêndio representa a degradação das condições para a prática de jornalismo em Moçambique.

“O ataque ao escritório do Canal de Moçambique é o mais recente capítulo de um ambiente cada vez pior para a imprensa independente em Moçambique e uma ofensiva flagrante à democracia e ao direito do público de ser informado,” diz Angela Quintal, coordenadora do programa do CPJ para a África.

Quanto à investigação, Quintal diz que deve ser “rápida e credível” para que “não se torne mais um exemplo da impunidade que está a tornar-se norma com os ataques à imprensa no país.”

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG