Links de Acesso

Em meio ao êxodo da Ucrânia, surgem relatos de preconceito contra africanos


Arquivo - Residentes africanos na Ucrânia esperam na plataforma na estação de comboio de Lviv, Fev. 27, 2022, Ucrânia.

Trabalhadores e estudantes africanos que procuram fugir da Ucrânia diante da invasão da Rússia têm denunciado estarem a ser bloqueados em autocarros, comboios e postos de controlo, enquanto a prioridade é dada aos cidadãos ucranianos.

Um repórter da VOA no oeste da Ucrânia diz que a prioridade está a ser dada aos ucranianos, mas que ele não viu evidências de que os africanos estão a ser tratados de forma diferente de outros estrangeiros.

Yan Boechat, num relato à VOA, descreveu que alguns estudantes indianos se queixavam de semelhante discriminação:

Yan Boechat descreve uma situação mais perigosa na capital ucraniana
please wait

No media source currently available

0:00 0:05:11 0:00

No entanto, alguns africanos – entre as centenas de milhares de pessoas que tentam desesperadamente deixar a Ucrânia – alegam discriminação racial, o que as autoridades ucranianas negam, mas tem levantado a preocupação dos Estados Unidos e de organismos internacionais.

Augustine Akoi Kollie, um cidadão liberiano que estuda medicina na cidade de Ternopil, no oeste da Ucrânia, disse que testemunhou as disparidades enquanto esperava durante a noite de sábado, 26, para cruzar a fronteira perto de Suceava, na Roménia.

"Temos grandes dificuldades. Os bancos não funcionam", Álvaro Cossa em Kyiv
please wait

No media source currently available

0:00 0:05:10 0:00

As pessoas ficaram tremendo em longas filas, a segurar as bagagens e crianças, e "se um ucraniano vier, você tem que mudar e abrir caminho para os ucranianos irem para a frente", disse Kollie à VOA. Embora as autoridades exigissem que mulheres e crianças fossem processadas primeiro, as mulheres africanas foram deixadas para trás, disse ele.

Arquivo - estudantes nigerianos na Ucrânia esperam na plataforma da estação de comboio de Lviv, Feb. 27, 2022, Ucrânia
Arquivo - estudantes nigerianos na Ucrânia esperam na plataforma da estação de comboio de Lviv, Feb. 27, 2022, Ucrânia

"Foi discriminação racial", disse ele, "porque se você diz que está a receber mulheres e crianças, você tem estudantes estrangeiros que são mulheres. Então, por que você não as aceita?"

Kollie também viu um comportamento agressivo, que um dos seus companheiros de viagem capturou em vídeo enquanto esperavam na fronteira. O vídeo, compartilhado com a VOA, mostra uma cena nocturna de vários homens fardados empurrando o que Kollie chamou de "estudantes estrangeiros", que estavam sentados no chão e pouco visíveis atrás de um veículo estacionado. Os homens dispararam vários tiros para o ar.

O relato de Kollie coincide com reportagens de outras meios de comunicação.

Uma médica de nigeriana de 24 anos disse ao The New York Times ter ficado presa por mais de dois dias na fronteira Ucrânia-Polónia na cidade polaca de Medyka, com guardas bloqueando estrangeiros enquanto permitiam a passagem de ucranianos.

"Eles espancaram pessoas com paus", disse a médica, Chineye Mbagwu, ao The Times. "Eles batiam nelas, batiam nelas e empurravam-nas para o final da fila. Foi horrível."

A hashtag #AfricansinUkraine tem estado popular no Twitter, mostrando vídeos de pessoas negras que parecem ser impedidas de embarcar num comboio ou retiradas de assentos. A VOA não conseguiu verificar os vídeos de forma independente.

Um correspondente da VOA na Ucrânia disse que as autoridades deram prioridade aos ucranianos nos autocarros e comboios de saída, dificultando a saída de estrangeiros, incluindo ele, um cidadão europeu branco.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, twittou na terça-feira: "A invasão da Ucrânia pela Rússia afectou ucranianos e cidadãos não nacionais de muitas maneiras devastadoras. Os africanos que buscam a evacuação são nossos amigos e precisam ter oportunidades iguais para retornar aos seus países de origem com segurança. O governo da Ucrânia não mede esforços para resolver o problema."

Relatos Perturbadores

A União Africana divulgou um comunicado na segunda-feira dizendo que os seus principais funcionários - o actual presidente Macky Sall, Presidente do Senegal, e Moussa Faki Mahamat, presidente da Comissão da União Africana - estavam "particularmente perturbados por relatos de que cidadãos africanos no lado ucraniano da fronteira estão a ser recusados o direito de cruzar a fronteira em segurança."

"Relatos de que os africanos são escolhidos para tratamento desigual inaceitável é chocantemente racista e viola o direito internacional", continuou o comunicado.

O Comité Internacional da Cruz Vermelha não pôde confirmar tais relatos, “mas eles são perturbadores”, disse a agência num e-mail para a VOA na terça-feira. "A passagem segura e a capacidade de buscar refúgio seguro é um direito de todos os afectados pelo conflito. O CICV (está) a trabalhar e a responder a todos os afectados pelos combates."

O Departamento de Estado dos EUA denunciou qualquer tentativa de preconceito racial.

"Estamos cientes desses relatos da media", disse um porta-voz do departamento na segunda-feira. "Qualquer acto de discriminação racial, principalmente numa crise, é imperdoável."

O porta-voz disse que o departamento está "a envolver-se de perto com as agências da ONU no local para garantir que todas as pessoas que cruzam os países vizinhos sejam recebidas igualmente e com a assistência de protecção que as suas circunstâncias exigem".

Ex-estudante cabo-verdiano na Ucrânia reage à invasão da Rússia
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:54 0:00

Enquanto isso, a UA elogiou os esforços dos seus estados membros e embaixadas em países vizinhos para receber cidadãos africanos e as suas famílias que tentam deixar a Ucrânia.

A embaixadora da Nigéria na Roménia, Safiya Ahmad Nuhu, disse ao Serviço Hausa da VOA que mais de 600 nigerianos chegaram a Bucareste "e há muitos mais em autocarros que vêm dos vários pontos de entrada".

"As autoridades romenas têm sido muito úteis em termos de coordenação, preparação e assistência", acrescentou. "Não é apenas o governo, mas até mesmo indivíduos, organizações, universidades, particulares - todos eles têm sido muito úteis na prestação de assistência."

Kollie, o estudante liberiano, disse que uma vez que ele e os seus dois companheiros cruzaram para a Romênia, eles receberam cobertores, muita comida e transporte para a cidade de Timisoara, onde dividem um quarto de hotel. Ele disse que os recém-chegados foram informados de que receberiam ajuda com alimentação e hospedagem por 30 dias.

Espera-se um aumento 'exponencial'

As Nações Unidas prevêem que, com um ataque russo sustentado, os refugiados continuarão a chegar às fronteiras da Ucrânia.

"Raramente vejo um êxodo de pessoas incrivelmente rápido", com números "aumentando exponencialmente hora após hora desde quinta-feira", disse o alto comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi, dirigindo-se ao Conselho de Segurança da ONU na segunda-feira. ". Actualmente, estamos a planear até 4 milhões de refugiados nos próximos dias e semanas. Um aumento tão rápido seria um fardo enorme para os estados receptores."

Já, a onda para fora representa o maior deslocamento na Europa desde as guerras dos Balcãs no início dos anos 1990, disse Grandi. Então, mais de 2 milhões de pessoas fugiram das suas casas, estimou a agência de refugiados da ONU na época.

Grandi observou que em meio à crise actual, mais de 280.000 pessoas buscaram ajuda na Polónia; na Hungria, 94.000; na Moldávia, quase 40.000; na Roménia, 34.000; na Eslováquia, 30.000 - mais dezenas de milhares em outras partes da Europa. Grandi disse que "um número considerável" também se mudou para a Federação Russa.

A Comissão Europeia - o braço executivo da União Europeia - no início desta semana havia discutido pedir aos países membros que concedessem asilo temporário aos ucranianos por até três anos, informaram o New York Times e a Reuters. Os residentes da Ucrânia, que na segunda-feira solicitaram a adesão à UE, podem permanecer por até 90 dias e viajar sem visto nos países do bloco.

Questionada pela VOA sobre a política e as disposições da UE para refugiados ucranianos e outros, a Comissão Europeia disse num e-mail na terça-feira que "em breve proporá (para) activar a Directiva de Protecção Temporária para oferecer assistência rápida e eficaz às pessoas que fogem da guerra na Ucrânia. A Comissão está disposta a apoiar os seus Estados-Membros proporcionando um refúgio seguro para as pessoas que fogem da Ucrânia e está a trabalhar num plano de contingência global para responder à agressão russa, que inclui a protecção do povo ucraniano. Estamos a considerar todas as linhas de acção para ajudar os estados membros a processar as chegadas de forma rápida e eficaz. Até apresentarmos a nossa proposta, não poderemos entrar em mais detalhes."

Quanto aos maus-tratos relatados a estrangeiros, a comissão disse: "Todas as pessoas necessitadas, independentemente da sua nacionalidade, etnia ou cor da pele, que estão a fugir da violência na Ucrânia devem ter acesso à UE."


Esta reportagem contou com a colaboração da chefe da VOA na Europa Oriental, Myroslava Gongadze, Grace Alheri Abdu, do Serviço Hausa, Ignatius Annor, do Serviço Inglês para a África, e Betty Ayoub e Carol Guensburg, da Divisão de África.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG