Links de Acesso

Egipto condena 75 pessoas à morte


Militares egípcios à porta de um tribunal no Cairo. Foto tirada em Janeiro de 2018.

Um tribunal do Cairo proferiu, neste Sábado, 28 de Julho, a sentença de morte contra 75 islamitas, incluindo líderes da Irmandade Muçulmana, sendo o maior número de condenações à morte em um único caso.

Os juízes pediram, conforme exigido por lei, a opinião consultiva do grande mufti do Egipto sobre essas sentenças num caso relacionado com uma manifestação violenta em 2013.

Após a opinião do mufti, os condenados poderão apelar.

Depois da queda de Mohamed Morsi, o primeiro presidente eleito democraticamente no Egipto, em 3 de Julho de 2013, o país passou por vários meses de violência em que as forças de segurança reprimiram as manifestações de seus partidários.

Em 14 de Agosto de 2013, polícia e militares atiraram e mataram mais de 700 manifestantes pró-Morsi.

Líderes da Irmandade Muçulmana, como Mohammed al-Beltaji, Issam al-Aryan e Safwat Hijazi, estão entre os condenados à morte neste sábado, 31 dos quais foram julgados à revelia.

O fotojornalista Mahmoud Abu Zeid, conhecido por seu pseudônimo Shawkan, está entre os réus, mas o tribunal adiou a decisão sobre sua sentença. Ele foi preso no dia da sangrenta dispersão na Praça Rabaa al-Adawiya enquanto cobria os eventos. Desde então, ONGs fazem campanha por sua libertação.

O chefe do exército na época, o general Abdel Fattah al-Sissi, que havia deposto Morsi, foi eleito Presidente em Maio de 2014.

Organizações internacionais de direitos humanos acusam o seu regime de ser ultrarepressivo e de explorar a justiça para reprimir a oposição. Centenas de islamitas, incluindo Morsi, foram condenados à morte em julgamentos em massa denunciados pela ONU.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG