Links de Acesso

Economistas dizem que Moçambique não está em condições de pagar dívidas


Construção de Ponte Maputo-Katembe

FMI optimista...

O Fundo Monetário Internacional (FMI) espera que os resultados das actuais negociações entre o Governo de Moçambique e os credores tragam, rapidamente, a dívida para um nível sustentável, mas alguns economistas têm outra opinião.

Economistas dizem que Moçambique não está em condições de pagar dívidas
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:31 0:00

O problema, dizem, é que o país não está em condições de pagar a dívida, porque o dinheiro é aplicado em coisas que não contribuem para o desenvolvimento.

O representante do FMI em Moçambique, Ari Aisen considera que a economia moçambicana está num bom caminho, a medir pelos sinais de retoma e estabilidade que tem vindo a registar nos últimos tempos.

Aisen espera que os resultados das negociações entre o Governo e os credores tragam a dívida para um nível sustentável, sublinhando, no entanto, que há maior endividamento de privados.

Ponte da megalomania

Na perspectiva do economista Roberto Tibana, o endividamento progressivo agrava-se sobretudo, porque o dinheiro não é aplicado em coisas que contribuam para o desenvolvimento do país, reiterando o exemplo da chamada Estrada Circular, bem como da ponte Maputo-Katembe.

"Esta é uma ponte de megalomania; é só porque os antigos dois presidentes da República vão ter as suas casas na Katembe que criaram esta ponte; eles vão viver lá nas casas que o Estado está a construir para eles", diz o economista.

Por seu turno, o economista João Mosca, afirma que Moçambique tem das dívidas mais altas do mundo, em relação ao seu Produto Interno Bruto, mas, na sua opinião, o problema não é só esse.

De acordo com João Mosca, "Moçambique não tem capacidade de pagar as dívidas; o défice do Orçamento de Estado vai continuar por muitos e longos anos; o défice da Balança de Pagamentos vai continuar até que o petróleo e o gás comecem a dar resultados".

A crise moçambicana acentuou após a descoberta de dividas ocultas de dois mil milhões de dólares, cuja auditoria internacional denunciou irregularidades na aplicação de fundos. Não houve ainda responsabilização dos mentores.

XS
SM
MD
LG