Links de Acesso

Domingos Landim de Barros e a sua "Jornada de Ádvena"


Escritor cabo-verdiano recebe Prémio Corsino Fortes/BCA de Literatura

O escritor Domingos Landim de Barros recebeu na quinta-feira, 14, o Prémio Corsino Fortes/BCA de Literatura, num dos momentos mais altos do calendário literário cabo-verdiano, que distingue obras em prosa ou verso, em língua portuguesa ou cabo-verdiana.

“Jornada de Ádvena”, com o pseudónimo Torquato Adamastor, foi destacado pela sua excelência e profundidade pelo júri composto pelas professoras universitárias e especialistas em Literatura Mariana Faria, Augusta Teixeira, e Fátima Fernandes, com a bênção da Academia Cabo-Verdiana de Letras.

Domingos Landim de Barros é autor dos livros de poesia "Diadema do Rei" e "De Orbe para Urbe", género que ele começou a escrever incentivado pelo patrono do prémio e um dos nomes sagrados da literatura cabo-verdiana, Corsino Fortes.

O autor, que tem crónicas espalhadas por jornais em Cabo Verde, Angola e São Tomé e Príncipe, é jurista e professor universitário.

Os críticos o descrevem como um cronista versátil, um poeta profundo e portador de um dizer literário muito próprio e original.

Mariana Faria, crítica literária
Mariana Faria, crítica literária

Mariana Faria, presidente do júri e crítica literária, considera que "Jornada de Ádvena" desafia as regras das perspectivas e que recria, de forma sublime, as ribeiras, tão típicas de Cabo Verde, de dentro e de fora.

Domingos Landim de Barros vive há muitos anos fora de Cabo Verde, nomeadamente em Portugal, e neste momento está a passar uma temporada no Senegal.

Com o valor monetário do prémio Corsino Fortes/BCA de Literatura, o autor pretende publicar em breve a obra.

Na rubrica Artes, Domingos Landim de Barros fala sobre a obra e a sua escrita e Mariana Faria faz uma apreciação à "Jornada de Ádvena".

Ouça:

Domingos Landim de Barros e a sua "Jornada de Ádvena" - 19:00
please wait

No media source currently available

0:00 0:18:19 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG