Links de Acesso

Dois meses depois da data marcada, ano lectivo não arranca na Guiné-Bissau


Escolas continuam fechadas

Alunos pedem solução ao diferendo entre Governo e sindicatos

Dois meses após a data da abertura oficial do novo ano lectivo na Guiné-Bissau, as escolas públicas continuam enceradas e milhares de alunos em casa.

Dois meses depois da data marcada, ano lectivo não arranca na Guiné-Bissau
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:45 0:00

Esta paralisação é resultado da greve decretada pelos sindicatos do sector da Educação, que exigem a aplicação do Estatuto de Carreira Docente.

O certo é que os alunos das escolas públicas já não estão a gostar do silêncio, que ainda se sobre a abertura das salas de aulas.

A VOA registou opiniões dos guineenses e estudantes que, mesmo com as manifestações de rua e acampamentos em frente do Ministério da Educação Nacional, não viram o Governo superar o diferendo com os sindicatos.

Laureano Pereira da Costa, presidente do Sindicato Democrático dos Professores, mantém as suas reivindicações de “aplicação do Estatuto de Carreira Docente, unificação das letras, efectivação e reclassificação dos professores e o pagamento de dívidas de 2011 a 2014.

Da parte do Governo, não há respostas que agradem aos sindicatos e o braço-de-ferro continua.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG