Links de Acesso

Dívidas Ocultas: Moçambique gasta milhões “em vão” no processo de Londres, dizem analistas


Embarcações da Ematum. Moçambique

Analistas dizem que não faz sentido Moçambique continuar a gastar dinheiro com documentos para o processo judicial das dívidas ocultas na justiça britânica, que, à partida, se sabe que está perdido.

Dívidas Ocultas: Moçambique gasta milhões “em vão” no processo de Londres, dizem analistas
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:17 0:00

Esta semana, foi revelado, no Tribunal Comercial de Londres, que Moçambique gastou pelo menos, cerca de seis milhões de dólares na preparação de documentos do referido processo.

Para o analista Laurindos Macuácua, este é um esforço financeiro que Moçambique está a fazer, em vão, dada a natureza do próprio processo.

Macuácua diz ter dúvidas de que a Procuradoria-Geral da República (PGR) não tenha a consciência de que devia abandonar este caso.

"Penso que a PGR está a sofrer uma pressão política, e por causa disso, ela quer dar a indicação de que está a fazer alguma coisa; na minha opinião, nem sequer se devia dar seguimento a um processo desta natureza", realça Macuácua, igualmente escritor.

Choro grande

Por seu turno, o analista e jornalista Alexandre Chiúre, diz que a sociedade civil moçambicana sempre achou que "não valia a pena o Estado gastar tanto dinheiro com este processo, porque corre-se o risco de perder a causa, mas a PGR entende que é preciso continuar a defender aquilo que são os interesses da nação, porque o objectivo principal é conseguir não pagar a dívida contraída de forma ilegal".

"Se conseguirmos isso, vamos dizer que valeu a pena a insistência da PGR, mas se não conseguirmos, vai ser um choro muito grande, porque perdemos e vamos continuar a perder muito dinheiro com este processo", considera o analista.

A mesma opinião tem o jornalista Fernando Mbanze, para quem, se trata de um processo bastante difícil para o Estado moçambicano.

Mbanze refere que "este esforço pode não resultar naquilo que o próprio Estado pretende, porque neste processo está a lidar com um grupo muito forte e que conhece bem os contornos deste tipo de litígios internacionais; vai ser muito difícil enfrentar a Privinvest e os bancos VTB e Credit Suisse".

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG