Links de Acesso

Dívidas ocultas: Lobista diz que 33 milhões de dólares foram parar nas contas do filho de Guebuza


Ndambi Guebuza, no centro, com o pai Armando Guebuza, à sua esquerda

Teófilo Nhangumele esquiva-se a revelar o papel do filho do antigo Presidente moçambicano no esquema

Numa primeira parte de um interrogatório feito em sete horas, Teófilo Nhangumele confirmou ter sido o principal lobista dos acordos entre a Privinvest e o governo moçambicano, que resultou num calote de mais de dois biliões de dólares americanos.

Dívidas ocultas: Lobista diz que 33 milhões de dólares foram parar nas contas do filho de Guebuza
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:54 0:00

Em declarações com um misto de contradições com alguma documentação apreendida nos seus meios electrónicos, Nhangumele destapou esquemas de promiscuidade num negócio entre o Estado e o privado, envolvendo elites políticas, filhos, facilitadores e valores de pagamento ao que chamou de “massagem”, para agentes governamentais.

Do pacote de crédito com aval do Estado para financiar a empresa Proíndicus, 50 milhões de dólares foram para as contas de lobistas. Nhangumele confirmou ter recebido oito milhões e meio de dólares, metade dos quais gastou na compra de imóveis, viaturas para a família e investimentos.

Segundo o lobista, para a conta de Ndambi Guebuza, tratado no esquema por “Cinderela”, filho do antigo presidente moçambicano, Armando Guebuza, foram parar 33 milhões de dólares.

Nhangumele evitou, a todo o custo, revelar o papel do filho do antigo estadista no esquema e a razão pela qual recebeu a maior fatia.

Com muitos aspectos por revelar, o maior lobista continua em julgamento, forçado a desvendar o enredo de um crime financeiro, que resultou num endividamento que trouxe severos impactos sociais para Moçambique.

Vox Pop: Quais as suas expectativas quanto ao julgamento das Dívidas Ocultas
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:41 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG