Links de Acesso

Dívidas Ocultas: Gregório Leão remete-se ao código da secreta para evitar perguntas “incômodas” 


Gregório Leão

Leão sugeriu que o tribunal deveria julgar os que aprovaram os créditos

No 21º dia de audições do processo das dívidas ocultas, o tribunal judicial da cidade do Maputo tenta arrumar o "puzzle" com os considerados principais cérebros dos projectos caloteiros.

Nesta segunda-feira, 27, foi a vez de Gregório Leão, antigo diretor da secreta nacional, o SISE. Chegou e desde cedo tentou delimitar as fronteiras do que para ali ia.

Dívidas Ocultas: Gregório Leão remete-se ao código da secreta para evitar perguntas “incômodas”
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:45 0:00

“O objecto desta minha prisão são as dívidas ocultas, não são empresas. Se me derem oportunidade é sobre isso que quero falar,” disse Leão, que dirigiu a secreta nacional, de 2005 a 2017.

Em mais de cinco horas ininterruptas de perguntas do Ministério Público, Leão jogou as suas respostas na subjectividade e sugeriu que o tribunal, deveria chamar ao banco dos réus, quem de facto, decidiu pela aprovação dos créditos caloteiros.

“Há pessoas que decidiram sobre os empréstimos que não estão aqui” disse, sugerindo a necessidade de se arrolarem os agentes políticos do processo.

Para muitas questões recusou-se a responder, remeteu respostas ao então Ministro da Defesa, Filipe Nyusi, e defendeu-se pelo juramento de secretismo imposto aos agentes da secreta.

Gregório Leão é o penúltimo arguido a ser ouvido. Depois dele será a vez de António Carlos do Rosário, que é, segundo a pronúncia, quem mais sabe sobre todas as zonas de penumbras sobre os mais de dois mil milhões do calote.

Leão, que antes de dirigir o SISE foi embaixador de Moçambique em Portugal, é esposo de Ângela Buque Leão, também em julgamento no mesmo caso.

Na próxima semana começam a ser ouvidos os declarantes cuja lista integra cerca de 60 pessoas, incluindo o antigo Presidente da República, Armando Guebuza.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG