Links de Acesso

Dívidas Ocultas: Declarantes baralham ainda mais o processo do julgamento


Arguidos, Caso "Dívidas Ocultas", Maputo, Moçambique

Um dos antigos administradores da Proindicus confirma ligação entre António Carlos do Rosário e Teófilo Nhangumele

Já são quatro os declarantes ouvidos no processo das dívidas ocultas. A lista de espera ainda é longa, mas os poucos ouvidos trouxeram confirmação e divergências que baralham ainda mais o julgamento.

Henriques Gamito, ex-administrador de uma das empresas do calote e trouxe a primeira contradição.

Dívidas Ocultas: Declarantes baralham ainda mais o processo do julgamento
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:35 0:00

Numa audição que durou mais de seis horas, Gamito disse ter assinado o contrato de fornecimento da EMATUM, sem ter visto o Estudo de viabilidade, situação que gerou indignação e um rasto de suspeição no tribunal.

Raufo Ira é o mais recente declarante. Foi ouvido na noite desta terça-feira (2) e confirmou o que Antônio Carlos do Rosário, o principal arguido ouvido, nunca aceitou, relativo à Proindicus.

"A constituição da Proindicus resultou de uma orientação recebida numa reunião realizada no Ministério da Defesa Nacional, onde esteve presente António Carlos do Rosário e Teófilo Nhangumele" disse Raufo, que foi administrador daquela empresa, confirmando a ligação entre Rosário e Nhangumele.

São cerca de 70 declarantes ainda por ouvir, num processo que promete ser mais longo do que se esperava e que vai dar ainda muito pano para manga neste processo.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG