Links de Acesso

COVID-19: Grávidas quenianas em risco


Mulheres grávidas no Quénia

Veronica Atieno lembra ter percorrido os becos escuros entre os barracos que compõem as favelas de Nairobi, passando por esgoto bruto e coberturas de metal enferrujadas e afiadas, com apreensão.

As suas dores de parto haviam aumentado durante o recolher obrigatório devido ao coronavírus no Quénia, e não havia meios de transporte públicos ou privados para o hospital onde ela planeara dar à luz. O medo da repreensão policial do recolher obrigatório manteve os possíveis ajudantes à distância.

Com o tempo a esgotar-se, a sua única opção era chegar à casa de uma parteira tradicional nas proximidades, disse Atieno. Mas ela estava assustada.

"Eu tinha muitas preocupações com a saúde do bebé caso fosse tratada pela parteira tradicional. Como é a higiene do lugar? Ela tem equipamento de proteção pessoal para impedir a propagação da Covid-19? E se eu precisar de cirurgia?" Ela preocupou-se quando os seus espasmos intensificaram.

Crianças e adolescentes órfãs expostas a abusos sexuais em tempo da Covid-19 em Manica
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:07 0:00

A sua situação é comum, todas as noites, a mulheres grávidas em todo o Quénia, colocando algumas em risco mortal. Isso inspirou um médico local a criar um serviço de emergência, o Wheels for Life.

O Quénia já teve uma das piores taxas de mortalidade materna do mundo e, embora ainda não haja dados disponíveis sobre os efeitos do novo recolher obrigatório, os especialistas acreditam que o número de mulheres e bebés que morrem durante o parto aumentou significativamente desde que foi imposto em meados de março, deste ano.

As preocupações levaram a obstetra e ginecologista Jemimah Kariuki, no Hospital Nacional Kenyatta, administrado pelo governo, a tentar uma solução.

"Quando o recolher obrigatório começou, tínhamos hospitais abertos, mas nenhuma mulher, e ouvíamos relatos de mulheres a dar à luz em casa com consequências terríveis: as mulheres apareciam de manhã com bebés que tinha morrido durante à noite ou de útero rompido", disse ela.

Quando uma mãe morreu durante o trabalho de parto, Kariuki sentiu que precisava fazer alguma coisa.

Ela partilhou seu número de telefone no Twitter, pedindo às mulheres que precisavam de se consultar sobre a gravidez para entrar em contacto. O tweet rapidamente se tornou viral.

"A resposta foi esmagadora: recebi de 30 a 40 telefonemas de mulheres dizendo: 'Eu estava ansiosa, não sabia o que fazer.' Numa semana, cinco mães ligavam-me a dizer 'estou em trabalho de parto e não sei o que fazer ", disse ela.

"Sem medo e com pensamento positivo de que vai dar certo", diz voluntária de vacina testada no Brasil
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:51 0:00

Kariuki começou a rastrear veículos para fornecer transporte às unidades de saúde, mas poucos estavam na estrada por causa de vários relatos de brutalidade policial enquanto aplicavam o recolher obrigatório. Grupos de direitos humanos relataram pelo menos 23 violadores de recolher supostamente mortos pela polícia, e vídeos circulavam com polícias a açoitar pessoas com bastões.

Kariuki procurou empresas e organizações estatais para apoio na prestação de serviços gratuitos, como transporte e pessoal médico. A resposta foi esmagadora, levando à formação do Wheels for Life.

O Ministério da Saúde, a Universidade de Nairobi, o serviço de táxi Bolt e outros vieram para fornecer os serviços gratuitos.

"É realmente incrível quando se pode ver que as pessoas estão dispostas a ir além do ganho económico, para que possam ajudar os menos privilegiados da sociedade, especialmente no momento da Covid, quando todo mundo pensa em cortar custos", disse Kariuki.

O Wheels for Life tem um número gratuito que as mães grávidas ligam para serem triadas e conectadas a um médico. Se uma mãe precisar de atendimento médico, mas não for uma emergência, um táxi é despachado para levá-la ao hospital. Se for uma emergência, uma ambulância é despachada.

Segundo o Grupo Interinstitucional de Estimativa da Mortalidade Materna das Nações Unidas, as mortes maternas no Quénia caíram de 9.100 por ano em 2000 para 5.000 em 2017. Isso significa 13 mortes maternas registadas diariamente, contra 24.

Ainda assim, o país da África Oriental permanece entre os 21 primeiros do mundo em mortes maternas.

Louisa Muteti, presidente da Associação de Parteiras do Quénia, teme que as mortes de mães e filhos durante o parto tenham aumentado com a medida de recolher obrigatório.

Muteti disse que 68% das mães que dão à luz no Quénia têm acesso a pessoal qualificado. Outras dão à luz em casa, usando assistentes tradicionais ou sozinhas, e quando ocorrem mortes, elas não são registados oficialmente.

Transporte e segurança são os maiores desafios sob o recolher obrigatório, disse Muteti, especialmente em assentamentos informais pouco iluminados.

"É por isso que algumas mães podem morrer em casa ou lutar e ir ao hospital pela manhã, apenas para morrer", disse ela.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, as mulheres morrem como resultado de complicações tratáveis principalmente durante a gravidez e após o parto, como sangramento grave, infecções e pressão alta.

AP

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG