Links de Acesso

Corrupção lesou Orçamento de Estado de Moçambique em 17 milhões de dólares em 2020


Banco de Moçambique

Analistas apontam dedo à justiça e falta de um combate sério ao fenómeno

O Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC) de Moçambique revela que só em 2020 a corrupção resultou no desvio de quase 17 milhões de dólares do Orçamento de Estado para benefícios próprios dos gestores públicos e critica o que considera ser falta de mobilização da sociedade contra este fenómeno.

Corrupção lesou Orçamento de Estado de Moçambique em 17 milhões de dólares em 2020
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:03 0:00

"O custo da corrupção continua violento na administração pública e o seu impacto atinge o pacato cidadão", afirma Estevão Manjate, porta-voz daquele gabinete, citado pela Agência de Informação de Moçambique (AIM).

Para o analista João Mosca, como já foi dito muitas vezes, não se conhecem acções consistentes visando combater a corrupção a todos os níveis e frisa haver fragilidades no aparelho judicial para resolver casos muito concretos deste crime.

Mosca avança que, pontualmente, alguns casos de corrupção a alto nível têm tido algum tratamento judicial, mas o problema de corrupção a todos os níveis, tem sido muito difícil de combater, porque passa por muitos factores de natureza económica, social e de valores da sociedade.

"Não estou a ver que haja uma acção de educação, de cidadania, de discurso consequente e de acções concretas nas escolas e hospitais para que haja mecanismos de monitorização, controlo e punição a todos os níveis", lamenta aquele analista.

De acordo com o GCCC, só o ano passado, a corrupção em Moçambique resultou no desvio de quase 17 milhões de dólares do Orçamento do Estado para benefícios próprios dos gestores públicos.

A Função Pública, incluindo os sectores da saúde, educação, alfândegas, registos e notariados, entre outros, é tida como a mais crítica, devido a uma maior procura de serviços pelos utentes.

O director nacional dos Recursos Humanos no Ministério da Administração Estatal e Função Pública, Grilo Lubrino, afirma que 200 funcionários públicos e agentes do Estado foram processados criminalmente no ano passado por diversos actos de corrupção, incluindo desvio de fundos, cobranças ilícitas e irregularidades na adjudicação de obras públicas.

Lubrino assuma que a corrupção lesa o Estado e retrai o investimento.

Entretanto, o jornalista Fernando Lima considera que na sequência do escândalo das dívidas ocultas, que levou os doadores a suspenderem o seu apoio directo ao Orçamento de Estado de Moçambique, Maputo parece estar a encarar a questão do combate à corrupção com mais seriedade.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG