Links de Acesso

Conflito interétnico na RDC cria mais de um milhão de deslocados em Ituri


Soldados marroquinos da missão da ONU na RDC (Monusco) patrulham no território Djugu, província de Ituri, leste da Rep. Dem. Congo. 13 de março, 2020.

Nos últimos dois meses, a Agência de Refugiados da ONU relata que mais de 200.000 pessoas foram forçadas a fugir da crescente violência entre os grupos Lendu e Hema na província de Ituri, no leste da República Democrática do Congo. Reportagem de Lisa Schlein em Genebra.

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) diz que cinco milhões de pessoas foram desenraizadas na República Democrática do Congo, incluindo 1,2 milhão na província de Ituri, devido a conflito interétnico.

O ACNUR relata que o número de ataques e contra-ataques interétnicos entre os agricultores de Lendu e os pastores da Hema continua a multiplicar-se aumentando a miséria já intolerável da maior crise de deslocados de África.

Os monitores da ONU registaram mais de três mil violações graves de direitos humanos no território de Djugu, principalmente ocupado pelos Hema, nos últimos 60 dias. O porta-voz do ACNUR, Charlie Yaxley, diz que quase 50 ataques ocorrem em média todos os dias contra a comunidade local.

"As pessoas deslocadas relataram atos de extrema violência com pelo menos 274 civis mortos com armas como facões. Mais de 140 mulheres foram estupradas e quase oito mil casas incendiadas. A grande maioria dos deslocados são mulheres e crianças, muitas das quais vivem agora em circunstâncias lotadas com famílias anfitriãs da comunidade", disse Charlie Yaxley.

Yaxley disse à VOA que muitos outros são forçados a dormir ao ar livre ou em edifícios públicos sob condições muito inseguras: "Isso, por sua vez, também está a tornar o distanciamento social necessário para impedir a disseminação da Covid-19 extremamente difícil, pois vemos muitas pessoas a morar dentro de abrigos. Isso também as torna vulneráveis a possíveis novos ataques, vulneráveis aos elementos e pouca proteção em termos de prevenção da propagação da Covid-19 ".

Os Lendu e Hema lutam esporadicamente há décadas por recursos valiosos na sua província rica em ouro e petróleo. As tensões na região aumentam desde dezembro, após uma operação militar liderada pelo governo contra vários grupos armados.

As agências da ONU e privadas relatam que o acesso aos territórios de Djugu e Mahagi é fortemente restrito, dificultando o acesso às pessoas que precisam urgentemente de assistência. O ACNUR diz estar a trabalhar com outras agências para fornecer ajuda e construir mais abrigos para os deslocados.

A agência relata que apenas 18% de seu apelo de US $ 154 milhões para a RDC foi recebido até o momento. Ele diz que essa falta de financiamento, bem como a insegurança predominante, está afetando sua capacidade de fornecer alívio essencial aos milhares de deslocados.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG