Links de Acesso

Comunidade internacional pede manutenção das eleições em Novembro, partidos querem reforço do recenseamento


Odessa

Partdos sem assento parlamentar defendem integração de todas as forças no Executivo

Organizações internacionais que apoiam a consolidação do processo de paz na Guiné-Bissau pediram a renovação de esforçospara garantir que as eleições legislativas de 18 de novembro sejam realizadas a tempo e “com transparência, regularidade e credibilidade”.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, a União Africana e as Nações Unidas divulgaram hoje um comunicado no qual destacam os progressos realizados na estabilização do país, graças ao trabalho desenvolvido em conjunto com as diferentes entidades e autoridades da Guiné-Bissau.

Entretanto, o comunicado insta todas as partes interessadas a” trabalhar no sentido de criar as condições necessárias para o bom andamento do processo eleitoral.”

A esse respeito, os parceiros enfatizam a necessidade de preservar a estabilidade institucional e governamental, de modo a que todos os esforços sejam dedicados à boa realização das eleições, devendo o interesse da Guiné-Bissau prevalecer sobre todas as outras considerações.

O grupo de organizações apela ainda aos países africanos e à comunidade internacional para mobilizarem os recursos e os meios logísticos necessários para garantir a normalidade do processo eleitoral.

Entretanto, em Bissau, o grupo dos partidos políticos, sem assento parlamentar, reuniu-se também hoje com o presidente do Parlamento, Cipriano Cassamá, a quem, à semelhança do encontro com oChefe de Estado, José Mário Vaz, apresentou as suas preocupações face ao recenseamento eleitoral.

Para aquelas formações políticas extraparlamentares, deve haver a correcção no processo, o que, segundo defendem, não passa pela demissão do actual Governo.

Silvestre Alves, um dos lideres do grupo, defende, todavia, a abertura do Executivo no que tange à integração de todod os actores no processo de recenseamento eleitoral:

“Devemos reunir os meios para garantirmos que ninguém venha a recusar os resultados, quando não os convir”, sustenta Silvestre Alves.

No terreno, os brigadistas continuam a registar potenciais eleitores, com uma meta estimada em pouco mais de 900 mil até dia 20 Novembro.

XS
SM
MD
LG