Links de Acesso

"Caso CNC" pode servir de exemplo na luta contra a corrupção, dizem analistas


Augusto da Silva Tomás diz sentir vergonha por aqueles que o levaram a julgamento

Analistas angolanos consideram que a eventual condenação dos réus acusados de desvio de dinheiro público no Conselho Nacional de Carregadores (CNC) pode vir a servir de exemplo para outros servidores públicos e para a sociedade, mas defendem que o castigo seja extensivo às demais figuras já notificadas pelos órgãos de justiça do país e referenciadas na comunicação social.

O antigo ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, um dos réus, disse em tribunal, na segunda-feira, 29, que estava “orgulhoso pela prisão”, mas que sentia vergonha daqueles que fizeram com que ele estivesse a ser julgado.

Sem citar os nomes, o ex-governante disse que pedia “perdão para todos eles”, ao mesmo tempo que exigiu “justiça ao tribunal”.

A advogada de defesa Paula Godinho afirmou que a corrupção não pode ser combatida“, condenando alguém que apenas cumpriu ordens superiores”.

O analista João Lukombo Zatuzola considera que as palavras de Paula Godinho deixaram, mais uma vez, implícita a implicação de que há outras entidades nos crimes em que os réus são acusados.

Por seu turno, o analista Nelson Domingos diz que as alegações de que o antigo Presidente José Eduardo dos Santos teria sido o mandante de alguns actos cometidos pelo ex-ministro sugerem que "ele devia ser ouvido pela justiça".

Entretanto, o representante da organização não governamental Frends Of Angola, Rafael Morais, também defende que "todos os cidadãos implicados nos casos de corrupção, durante a vigência do anterior Governo, devem ser chamados à justiça por forma a moralizar a sociedade".

O Ministério Público pediu a condenação de todos os réus acusados de desvio de dinheiro público no CNC, nos quais estão envolvidos o antigo ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, e quatro antigos funcionários.

Analistas admitem que os réus incorrem na pena que vai de 16 a 20 anos de prisão, sendo que a moldura penal menos grave vai de um mês a seis anos.

O juiz marcou a próxima sessão para o dia 6 de Agosto em que serão apresentadas as alegações finais e será marcada a data para a leitura da sentença.

Fórum Facebook

Poderá gostar também

XS
SM
MD
LG