Links de Acesso

Cabo Verde vai pressionar a Guiné Equatorial a assumir o Português como língua oficial


Chefe da diplomacia cabo verdiana promete trabalhar para influenciar os outros estados membros a seguir na mesma linha de exigências.

O ministro cabo verdiano dos negócios estrangeiros e comunidades disse à VOA que o seu país será exigente para com a Guiné Equatorial, no sentido de respeitar todos os compromissos assumidos, aquando das negociações para fazer parte da CPLP.

Cabo Verde vai pressionar a Guiné Equatorial a assumir o Português como língua oficial
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:19 0:00

Luís Filipe Tavares não considera razoável que o país ainda não tenha abolido a pena de morte ou incrementado o ensino e assumido o português como língua oficial, tal como consta das condições de adesão.

O ministro cabo-verdiano promete trabalhar para influenciar os outros estados membros a seguir na mesma linha de exigências.

O professor universitário Daniel Medina concorda com a posição defendida por Tavares.

Contudo, Medina diz que “talvez fosse melhor fazer todas as exigências antes da entrada do país".

"Agora que já é membro de pleno direito, todos devem ajudar para que a Guiné e Equatorial possa acelerar o processo de cumprimento dos assuntos relacionados com a abolição da pena de morte, o ensino e a institucionalização do português como língua oficial”, destaca Medina.

A entrada da Guiné Equatorial foi muito polémica e ainda continua a ser alvo de críticas.

Mobilidade na agenda

Cabo Verde irá fazer tal pressão ao assumir a presidência da CPLP, que hoje iniciou a XII Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo, em Santa Maria, Ilha do Sal.

Além de temas como a cultura, oceanos, ciência e inovação e economia, as autoridades do arquipélago destacam na sua agenda para esta cimeira o badalado “dossiê mobilidade”.

“Temos noção de que não é fácil, mas devemos caminhar passo a passo com solidez no sentido de encontramos mecanismos que permitem a circulação de pessoas e bens no espaço da comunidade”, realça o governante cabo-verdiano.

Esta questão é complexa, por entre outros aspectos, os países da CPLP terem compromissos noutras organizações regionais, como a CEDEAO, Mercossul. SADC ou União Europeia.

Na presente cimeira, participam oito Chefes de estado dos países membros. Consta que o presidente de Timor Leste não teve a visgem autorizada pelo Parlamento do país.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG