Links de Acesso

Cabo Verde perde quatro posições no índice da democracia da The Economist


Cidade da Praia, Cabo Verde

Cabo Verde Cabo Verde passou do 26º para o 30º lugar no Índice de Democracia da revista The Economist. O estudo e referente a 2019.

Mesmo assim, os 7.78 pontos obtidos permitem que o país continue com a melhor classificação entre os cinco de expressão portuguesa.

Na classificação da The Economist, Cabo Verde figura na lista das democracias defeituosas, com eleições justas e livres, respeito das liberdades civis básicas, mas que podem ter problemas como a violação da liberdade de imprensa.

Angola, Guiné-Bissau e Moçambique não cosneguiram pontuação superior a quatro dos dez pontos possíveis e figuram na lista de países com governos autoritários.

A The Economist não publicou dados sobre São Tomé e Príncipe.

Leituras diferentes

Em Cabo Verde, a notícia foi recebida, no meio político, com leituras diferentes, com a oposição a servir-se disso para criticar o Governo.

Julião Varela, secretário geral do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), diz que a democracia não se limita apenas à realização periódica de eleições, mas também ao exercício de um conjunto de direitos individuais e colectivos, pressupostos que estão a ser atropelados.

Para a Uniao Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID), esta queda não constitui novidade, porquanto conforme o presidente dos Democratas Cristãos, António Monteiro, há muito que têm chamado atenção para a questão da qualidade da democracia no país.

Na óptica destes dois partidos, em Cabo Verde, muita gente tem medo de exprimir as suas posições e opiniões com receio de represálias.

Cabo Verde perde quatro posições no índice da democracia da The Economist
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:33 0:00

Mas o Movimento para a Democracia (MPD), no poder, considera que apesar da queda de quatro lugares, Cabo Verde está bem posicionado no contexto de países de língua portuguesa e africanos.

O secretário-geral adjunto do MPD, Carlos Monteiro, diz que Cabo Verde continua a ser segundo classificado da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, primeiro dos Palop’s e terceiro em África, por isso, no entender do partido, a classificação não deve ser motivo de preocupação e críticas.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG