Links de Acesso

Cabo Delgado: a resposta governamental à insurgência


Cabo Delgado afetado por guerra, violência e exploração mineira ilegal

As forças de segurança em Moçambique continuam a conter uma crescente insurgência islâmica na zona norte do país, onde a violência matou centenas de civis e forçou milhares a fugir de suas casas.

Desde 2017, militantes islâmicos, alguns dos quais afiliados ao grupo terrorista Estado Islâmico, realizam ataques contra civis e forças de segurança do governo na província de Cabo Delgado, no norte.

Segundo as Nações Unidas, 11 dos 16 distritos da província de maioria muçulmana sofreram ataques reivindicados pelos insurgentes. Localmente conhecido como al-Shabab, Ahlu Sunna wa Jama é o principal grupo militante responsável pelos ataques em Cabo Delgado. É considerado o afiliado em Moçambique do Estado Islâmico.

Exploração de queixas

Especialistas dizem que insurgentes islâmicos exploraram queixas sociais e económicas da população local numa região rica em recursos naturais.

“Os insurgentes parecem crescer em áreas onde a população foi marginalizada pelo governo, particularmente jovens, que em alguns casos venderam o pouco que tinham e foram juntar-se aos grupos (armados)”, disse José Mateus M. Katupha, professor adjunto na Universidade Eduardo Mondlane, em Pemba, capital da província de Cabo Delgado, durante um seminário on-line realizado pela Chatham House, um think tank com sede em Londres.

Katupha disse que militantes islâmicos foram capazes de estabelecer “uma rede eficiente de logística e recolha de informações formada por jovens inseridos na comunidade.”

Ele acrescentou que essas redes fornecem informações críticas sobre o movimento das forças de segurança do governo na região.

O ignorar das causas subjacentes

Alguns especialistas argumentam que desde o início da insurgência em Cabo Delgado, o governo de Moçambique não conseguiu identificar as causas profundas da radicalização naquela parte do país.

“O governo não deve impedir o trabalho de jornalistas, pesquisadores e grupos da sociedade civil para coletar a história completa de ambos os lados do conflito, a fim de entender as causas do problema", disse Liazzat Bonate, professora da Universidade West Indies em Trinidad e Tobago.

Bonate alegou que as autoridades moçambicanas procurarm ajuda incluindo de empresas privadas de segurança e mercenários, “em vez de se envolverem com seus próprios cidadãos. Se a situação piorou nos últimos três anos, isso indica que provavelmente as estratégias do governo estavam erradas ”, disse Bonate.

O apoio regional

Outros especialistas salientam que as forças armadas moçambicanas tiveram dificuldades em fornecer segurança adequada no norte de Moçambique.

Quando os militantes atacaram os distritos de Mocimboa da Praia e Quissanga no final de março, os militares moçambicanos não puderam defender as áreas, onde os insurgentes assumiram brevemente o controle dos edifícios do governo.

Alex Vines, diretor do programa da África na Chatham House, disse que a atual crise de segurança exige que o governo desenvolva estratégias de curto, médio e longo prazo. “Após uma série de contratempos em abril, o governo adiou a insurgência. E há sinais de alguma melhoria tanto internamente, como também de obter ajuda dos vizinhos, e particularmente da Tanzânia, para os esforços de contra-insurgência ”, disse ele à VOA.

A Tanzânia, que faz fronteira com Cabo Delgado ao norte, enviou tropas recentemente para a área de fronteira para impedir o alastramento da violência na província norte de Moçambique.

Alguns dos militantes que lutam em Moçambique são cidadãos da Tanzânia. Segundo informações, Moçambique também esteve em conversações com a vizinha África do Sul para possível apoio no combate aos militantes.

Precisa-se resposta eficaz à insurgência

Durante a Cimeira Reino Unido - África, em janeiro, o presidente moçambicano Filipe Nyusi pediu assistência estrangeira para combater a insurgência. Este mês, ele solicitou novamente apoio regional.

A longo prazo, "o governo precisará melhorar as unidades militares implantadas e concentrar-se no desenvolvimento da comunidade", disse Vines, acrescentando que Moçambique pode aprender com conflitos semelhantes em outras regiões, como o Sahel, os Grandes Lagos e o Médio Oriente .

"Obviamente, há uma necessidade a curto prazo de uma resposta militar eficaz à insurgência, mas a longo prazo, isso precisa ser apoiado por uma estratégia eficaz de desenvolvimento que reduza a pobreza, forneça empregos e mostre que o estado oferece bens públicos", ele disse.

Pedro Esteves, do Africa Monitor em Lisboa, tem opiniões semelhantes.

“Primeiro, temos que resolver o problema militarmente. Mas, então, precisamos de abordagens políticas e humanitárias ”, afirmou ele durante o webinar. Esteves acrescentou que é necessário apoio regional, "mas há muitos fatores domésticos e internos que influenciam o que está a acontecer em Cabo Delgado. Portanto, a solução deve ser interna” frisou.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG