Links de Acesso

Câmara dos Representantes acusa Trump de incitar o motim mortal do Capitólio


Votação de destituição, Câmara dos Representantes, Washington, EUA

Democratas responsabilizam o Presidente por ter dito aos seus partidários que marchassem até o Capitólio para tentar reverter sua derrota na reeleição

A destituição foi aprovada por maioria de 232-197 quando falta apenas uma semana para terminar o mandato de quatro anos de Trump como líder dos EUA. Votaram a favor os congressistas democratas e 10 republicanos.

O voto da Câmara atribuiu a Trump uma distinção singular, tornando-o o primeiro dos 45 presidentes nos 245 anos de história dos EUA a ter dois processo de destituição.

Há um ano absolvido pelo Senado num caso de destituição separado, agora enfrentará um novo julgamento nas semanas após a posse do Presidente-eleito Joe Biden na próxima quarta-feira.

Uma votação de dois terços no Senado politicamente dividido seria necessária para condená-lo. Se condenado, uma votação por maioria simples pode impedi-lo de ocupar um cargo federal novamente.

A votação de impugnação na Câmara ocorre uma semana após revoltosos depois de se sobreporem à polícia e invadirem o Capitólio, o símbolo mundial da democracia americana, durante a certificação do Congresso da votação do Colégio Eleitoral, mostrando que Biden havia derrotado Trump nas eleições de Novembro.

A multidão de apoiantes de Trump invadiu alguns escritórios do Congresso e os saquearam, deixando pelo chão documentos do governo e confrontando-se com a polícia. Cinco pessoas morreram - três manifestantes morreram nas emergências médicas, outro foi morto a tiros pela polícia e um policia morto no que as autoridades estão investigando como homicídio.

Novos avisos de violência e o apelo à não violação da lei

Trump não comentou imediatamente sobre a nova impugnação. Mas por entre avisos de mais violência em torno da posse de Biden na próxima semana, ele emitiu um comunicado instando a que "NÃO deve haver violência, NÃO às violações da lei, NÃO ao vandalismo de qualquer tipo. Isso não é o que eu defendo e não é o que os Estados Unidos representam . Eu convido TODOS os americanos para ajudar a aliviar as tensões e acalmar os ânimos. "

Quando o debate sobre a impugnação começou na de quarta-feira, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, chamou Trump de uma ameaça à "liberdade, autogoverno e o estado de direito". Mas um defensor ferrenho de Trump, o congressista Jim Jordan, de Ohio, disse que a destituição “não une o país. Isso é sobre política. ” Os democratas, disse ele, “querem apagar o presidente”.

A magra maioria democrata na Câmara teve votos suficientes para impugnar Trump uma semana antes de seu mandato terminar ao meio-dia de 20 de janeiro e Biden, uma figura política de Washington há quase 50 anos, é empossado como o novo líder do país.

Mas 10 republicanos, incluindo a congressista Liz Cheney de Wyoming, a terceira na hierarquia do partido na Câmara, juntaram-se à oposição democrata na impugnação de Trump. Ao anunciar o seu voto Cheney disse que "nunca houve uma traição maior" por um presidente dos Estados Unidos.

Em 2019, a Câmara, sem votos republicanos, acusou Trump tentar fazer a Ucrânia desenterrar informações negativas sobre Biden antes da eleição de Novembro. Mas ele foi absolvido em Fevereiro, após um julgamento de 20 dias no Senado.

Biden conquistou a presidência em uma votação decisiva do Colégio Eleitoral, que é determinante nas eleições presidenciais dos EUA e que o tornará o líder do país quando for inaugurado na próxima quarta-feira. O Congresso, na última quinta-feira, certificou o resultado do Colégio Eleitoral, mas não antes que a multidão pró-Trump atrasasse a certificação por horas antes que as autoridades restaurassem a ordem.

“A destituição neste momento teria o efeito oposto de unir nosso país”

Enquanto a Câmara debatia as regras básicas para o processo de impugnação, o congressista democrata Jim McGovern de Massachusetts disse que o debate ocorria em "uma cena de crime real" - a câmara da Câmara ocupada por alguns dos manifestantes antes que a polícia recuperasse o controle.

“Não estaríamos aqui se não fosse pelo presidente dos Estados Unidos”, disse McGovern, acrescentando que “a causa desta violência reside na Avenida Pensilvânia, 1600”, o discurso da Casa Branca.

Em um comício há uma semana, Trump pediu aos seus apoiantes que marchassem até ao Capitólio e "lutassem" para reverter a sua derrota eleitoral. O líder da maioria na Câmara, Steny Hoyer, disse que Trump “trouxe vergonha e desordem à presidência” e “transformou o ódio em uma arma”.

Mas o congressista Tom Cole, um republicano de Oklahoma, opôs-se à destituição de Trump, dizendo: “Não consigo pensar em nada que possa causar mais divisão do que o caminho que a maioria está agora a tomar. Em vez de olhar para um novo governo, a maioria está novamente tentando acertar as contas com o antigo. ” O congressista Jason Smith, do Missouri, outro republicano, disse: “Vamos colocar as pessoas antes da política. Este é uma impugnação imprudente. ” O líder republicano da Câmara, Kevin McCarthy, um aliado próximo de Trump, disse: “A destituição neste momento teria o efeito oposto de unir nosso país”.

Mas a liderança republicana disse que não tentaria pressionar os membros do partido a votarem contra a destituição caso não o quisessem fazer.

Numa visita na terça-feira à fronteira EUA-México, Trump disse que a pressão para acusá-lo novamente estava a "causar uma enorme raiva e divisão e dor muito maior do que a maioria das pessoas alguma vez entenderá, o que é muito perigoso para os EUA, especialmente neste momento muito delicado. ” Ele pediu "paz e calma" e disse que agora há "tempo para a lei e tempo para a ordem". Trump, que em um vídeo na semana passada disse à multidão de seus apoiantes “nós vos amamos, vocês são muito especiais”, não respondeu às perguntas dos repórteres.

As acusaçōes da destituição

Não está claro se os líderes da Câmara enviarão imediatamente a resolução ao Senado, visto que o mandato de Trump termina em uma semana.

A resolução de destituição cita as acusações infundadas de Trump de que lhe foi roubado um segundo mandato por irregularidades na contagem de votos, a sua pressão sobre os funcionários eleitorais no estado da Geórgia para "encontrar" para ele mais de 11.000 votos para superar a margem de vitória de Biden no estado, e as suas declarações em um comício na quarta-feira passada pedindo a milhares de apoiantes que marchassem até o Capitólio para pressionar os legisladores a anular o resultado da eleição.

Biden disse que é sua "esperança e expectativa" que o Senado possa simultaneamente realizar um julgamento de destituição e confirmar as suas nomeações para o gabinete depois dele assumir o cargo, ao mesmo tempo que aprova mais ajuda para a economia dos EUA enfraquecida pela crescente pandemia do coronavírus.

“É extremamente importante que haja um esforço realmente sério em prender aquelas pessoas que se envolveram em sedições e ameaçaram vidas, desfigurando propriedades públicas, causando grandes danos - que eles sejam responsabilizados”, disse ele na segunda-feira sobre os manifestantes.

Dezenas de manifestantes já foram presos e as autoridades federais estão a investigar muitos outros, através de vídeos de segurança no Capitólio para identificar invasores e pesquisar vídeos de mídia social que os próprios manifestantes postaram de si mesmos no edifício do Capitólio.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG