Links de Acesso

Brasil: Após mexida no governo, líderes militares renunciam


Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. 17 Dezembro, 2020

Os líderes dos três ramos das Forças Armadas brasileiras renunciaram conjuntamente após a substituição do ministro da Defesa pelo presidente Jair Bolsonaro.

As demissōes estão a causar apreensão generalizada de esteja em curso uma reorganização militar para servir aos interesses políticos do presidente.

O Ministério da Defesa anunciou as renúncias na terça-feira, sem dar motivos. Não foram nomeados substitutos.

Analistas expressaram temor de que o presidente, cada vez mais pressionado, esteja agindo no sentido de exercer maior controle sobre os militares.

Bolsonaro é um ex-capitão do exército conservador que sempre elogiou o antigo período de ditadura militar do Brasil e dependeu muito dos actuais e ex-soldados para ocuparem cargos importantes no Gabinete desde que assumiu o presidência em Janeiro de 2019.

O anúncio foi feito após os chefes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica se reunirem com o novo ministro da Defesa, general Walter Souza Braga Netto, na terça-feira.

A primeira declaração de Braga Netto sobre o novo cargo mostrou que ele está alinhado com as visões de Bolsonaro para as Forças Armadas. O novo ministro da Defesa, ao contrário de seu antecessor, celebrou a ditadura militar de 1964-1985 que matou e torturou milhares de brasileiros.

Um general aposentado do Exército que mantém relacionamento com os três comandantes e também com Braga Netto disse à Associated Press que "houve uma circunstância constrangedora, então todos renunciaram". Ele concordou em discutir o assunto apenas se não fosse citado pelo nome, expressando medo de retribuição.

Bolsonaro realizou na segunda-feira uma reviravolta nas principais posições do Gabinete que foi inicialmente vista como uma resposta às demandas de uma correção de curso por legisladores, diplomatas e economistas, particularmente sobre como lidar com a pandemia que causou até hoje mais de 300.000 mortes no Brasil. Isso incluiu a substituição do ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, que disse em sua carta de renúncia que havia `` preservado as Forças Armadas como instituições do Estado '', um aceno de cabeça em seu esforço para manter os generais fora da política.

Bolsonaro tem-se irritado frequentemente com os travōes e contrapesos impostos por outros ramos do governo e participou de protestos contra o Suprema Tribunal e o Congresso. Ele também criticou o Suprema por defender os direitos dos governos locais de adoptar restrições à pandemia às quais ele se opõe veementemente, argumentando que os efeitos económicos são piores do que a própria doença.

A sua recente queda na popularidade e a probabilidade repentina de enfrentar o ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições presidenciais de 2022 fazem com que analistas afirmem que ele está a procurar o apoio das Forças Armadas.

O general aposentado Carlos Alberto Santos Cruz, que anteriormente actuou como secretário do governo de Bolsonaro, pareceu referir-se a tais preocupações quando respondeu aos primeiros rumores de renúncias militares com um tweet dizendo: `` AS FORÇAS ARMADAS NÃO VÃO PARA UMA AVENTURA. ' '

Desde o regresso do Brasil à democracia em 1985, as Forças Armadas têm tentado manter distância das disputas políticas partidárias.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG