Links de Acesso

Bispos católicos pedem ajuda da SADC no combate à insurgência em Cabo Delgado


Centro de acolhimento de deslocados, Escola Primária do Bairro 3 de Fevereiro, Metuge, Cabo Delgado

As conferências episcopais da África do Sul e de Moçambique defendem que a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) deve ajudar as autoridades moçambicanas a combater a insurgência armada em Cabo Delgado porque o sofrimento das pessoas é dramático.

Bispos católicos pedem ajuda da SADC no combate à insurgência em Cabo Delgado
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:45 0:00

Uma missão das duas conferências terminou na sexta-feira, 4, uma visita à província de Cabo Delgado, onde observou as dramáticas condições em que vivem milhares de deslocados de guerra, na cidade de Pemba.

O programa incluiu deslocações aos centros que acolhem as pessoas fugidas dos distritos de centro e norte de Cabo Delgado, por causa da insegurança.

Para o presidente da Comissão de Justiça e Paz na Conferência Episcopal da África do Sul, que integra os bispos de Eswatini e Botswana, a SADC deve ter um papel activo na luta contra o terrorismo em Cabo Delgado, "tanto mais que o conflito não está a afectar apenas Moçambique, porque as vítimas dos ataques estão à procura de segurança em quase toos os países da região".

Victor Palana afirma ser necessário materializar os objectivos da SADC nos domínios político-militar e diplomático, visando não apenas o combate à insurgência como também o reforço das acções de assistência às vítimas dos ataques terroristas.

Palama avança ser importante o reforço das relações diplomáticas entre os países membros da SADC, para identificar a origem do problema, combater o terrorismo e prestar assistência humanitária aos deslocados.

O apelo à intervenção da SADC em Cabo Delgado foi feito também pelo vice-presidente da comissão da Justiça e Paz na Conferência Episcopal de Moçambique, bispo Dom Inácio Saure, para quem, a solução para o problema de sofrimento das pessoas passa pelo fim da guerra, e neste particular, os países da região devem ter um papel activo.

Entretanto, o bispo de Eswatini, Dom José Luiz, afirma ter ficado bem impressionado pelo facto de os deslocados, apesar de terem perdido tudo, acreditarem num amanhã diferente.

Refira-se que, recentemente, alguns líderes da SADC questionaram o facto do Governo de Moçambique não apresentar um plano coerente para a intervenção da região no combate aos insurgentes em Cabo Delgado.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG