Links de Acesso

Biden: Trabalhadores federais não vacinados enfrentam testes e uso de máscara


Presidente Joe Biden discursando sobre novas medidas anti-COVD-19, na Casa Branca, Washington DC, 29 Julho 2021

Presidente também está a dirigir o Pentágono para exploar adicionar a obrigatoriedade da vacina da COVID-19 para os militares

Com a variante delta do vírus que causa a COVID-19 a propagar-se rapidamente pelo país, o Presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou que os funcionários civis do governo federal devem ser vacinados ou submeter-se a testes regulares e usar máscaras.

"A cada funcionário do governo federal será pedido que ateste o seu estado de vacinação", disse o presidente, quinta-feira, num discurso desde a Casa Branca. "Qualquer pessoa que não ateste ou não esteja vacinada será obrigada a mascarar, não importa onde trabalhe, testar uma ou duas vezes por semana para ver se adquiriu COVID, distanciamento social, e geralmente não será permitido viajar para trabalhar".

O governo federal emprega mais de 4 milhões de americanos, incluindo mais de 2 milhões na força de trabalho civil federal, segundo a Casa Branca.

As mesmas normas serão aplicadas aos empreiteiros federais, acrescentou Biden.

"Se quiser fazer negócios com o governo federal, vacine o seu pessoal", disse ele.

Os sindicatos que representam os trabalhadores federais estão a reagir com cautela.

"Esperamos que os detalhes de quaisquer alterações às condições de trabalho, incluindo as relacionadas com as vacinas COVID-19 e protocolos associados, sejam devidamente negociados com as nossas unidades de negociação antes da implementação", disse Everett Kelley, o chefe da Federação Americana de Empregados Governamentais, que é o maior sindicato de trabalhadores federais, representando uma força de trabalho de 700.000 trabalhadores.

"Forçar as pessoas a empreender um procedimento médico não é a maneira americana e é uma clara violação dos direitos civis, independentemente da forma como os proponentes possam procurar justificá-la", disse Larry Cosme, presidente da Associação Federal dos Agentes da Lei (FLEOA), que representa 30.000 pessoas em 65 agências.

"Por conseguinte, encorajamos a administração a trabalhar em colaboração com a FLEOA e outros grupos de funcionários federais para incentivar todos os funcionários federais a serem vacinados, em vez de penalizar aqueles que não o fazem", disse Cosme.

A decisão de ser vacinado é algo que um funcionário federal que poderá tomar, "porque em grande parte as pessoas não vacinadas continuam a espalhar o vírus e até termos mais pessoas vacinadas e estarmos a travar a propagação, é necessário que haja protocolos adequados para manter os americanos seguros", disse a secretária de imprensa adjunta da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, aos repórteres antes das observações do presidente.

"E como um grande empregador, o maior deste país, que se preocupa com os indivíduos que mantêm o governo a funcionar, temos a obrigação de ser bons administradores da força de trabalho e garantir a sua saúde e a sua segurança".

Vacina fará parte da vacinação regular dos militares

Biden também pediu ao Departamento de Defesa que explore como e quando adicionar vacinas obrigatórias para o coronavírus à lista de vacinas necessárias para o pessoal de serviço.

"Os nossos homens e mulheres de uniforme que protegem este país de ameaças graves devem ser protegidos tanto quanto possível contra a COVID-19", disse o presidente. "Penso que isto é particularmente importante porque as nossas tropas servem em lugares em todo o mundo, muitos onde as taxas de vacinação são baixas e a doença é predominante".

O presidente também discutiu se as pessoas que estão totalmente vacinadas precisarão de vacinas de reforço.

"A partir de agora, os meus conselheiros médicos dizem que a resposta é não", disse Biden. "Nenhum americano precisa de um reforço agora". Mas se a ciência nos diz que há necessidade de reorço, isso é algo que faremos".

Questionado sobre ordenar aos estados a compulsariedade da vacinação, o presidente respondeu que a legalidade disso ainda não está determinada.

"Ainda é uma questão de saber se o governo federal pode mandatar o país inteiro", disse ele.

Biden anunciou também que o governo federal irá reembolsar os empregadores privados que concedam tempo livre pago aos empregados para se vacinarem ou para levarem um membro da família a ser vacinado. E sugeriu que mais governos estaduais e locais oferecessem 100 dólares àqueles que fossem totalmente vacinados.

Vacina não é política

Mais uma vez, o presidente tentou despolitizar a questão da vacinação.

"A vacina foi desenvolvida e autorizada sob uma administração republicana" a do seu antecessor Donald Trump, disse Biden.

Ele também repetiu que usar máscaras "não é uma declaração política", reconhecendo ao mesmo tempo a frustração generalizada com o regresso à máscara.

"Sei que é frustrante". Sei que é cansativo pensar que ainda estamos nesta luta". Sei que esperávamos que esta fosse um caminho simples e directo, sem problemas ou novos desafios. Mas isso não é a vida real", disse ele.

Repetidamente, o presidente disse que a grande maioria dos que adoecem e morrem nesta nova variante delta não são vacinados, colocando outros em risco e pondo em perigo a frágil recuperação económica da nação e o regresso à normalidade.

Notando que líderes estrangeiros desesperados o chamam "quase todos os dias" para pedir que envie mais doses de vacinas para os seus países, Biden disse que é "uma bênção americana que tenhamos vacinas para cada um e para todos os americanos.... É apenas uma pena desperdiçar essa bênção.”

Cerca de 60% dos adultos americanos já foram totalmente vacinados. Biden tinha estabelecido um objectivo de 4 de Julho para conseguir pelo menos uma vacina em 70% dos adultos. O último número é 69,3.

(com Reuters e AFP)

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG