Links de Acesso

Biden e Ramaphosa abordam consequências do conflito na Ucrânia no continente africano


Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, na cimeira do G7, Cornwall, Reino Unido, 12 Junho 2021

Washington e Pretória vão criar uma equipa para fortalecer o comércio, aumentar o investimento em infraestruturas e trabalhar para abordar as alterações climáticas

Os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da África do Sul, Cyril Ramaphosa, falaram ao telefone sobre os impactos da invasão da Ucrânia pela Rússia no continente africano.

No Twitter, neste sábado, 9, Cyril Ramaphosa revelou ter sido uma "conversa produtiva" na qual partilhou "pontos de vista semelhantes sobre o conflito na Ucrânia" e concordou com "a necessidade de um cessar-fogo e de um diálogo entre a Ucrânia e a Rússia".

O chefe de Estado sul-africano indicou ainda que Washington e Pretória vão "criar uma equipa para fortalecer o comércio, aumentar o investimento em infraestruturas e trabalhar para abordar as alterações climáticas".

Em comunicado, a Casa Branca confirmou a conversa na qual Biden destacou os desafios globais decorrentes da invasão da Ucrânia pela Rússia.

A nota acrescentou que ambos líderes conversaram sobre a "actual crise humanitária na Ucrânia e o impacto nas cadeias de distribuição, nos preços dos produtos básicos e na segurança alimentar em África".

Na quinta-feira, Cyril Ramaphosa criticou duramente o Conselho de Segurança da ONU por permitir que nações poderosas usem a sua influência para tomar decisões que às vezes são catastróficas.

"A actual formação do Conselho de Segurança da ONU está desactualizada e pouco representativa", disse o Presidente sul-africano, o que, sublinhou, "prejudica os países com economias em desenvolvimento".

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG