Links de Acesso

Biden condena repressão em Cuba e impõe sanções ao ministro da Defesa e aos "boinas negras"


Presidente Joe Biden, White House, Washington, 19 de Julho de 2021.

Presidente americano diz que "isso é apenas o começo" e que sua Administração está a rever a sua política em relação às remessas de dinheiro a Cuba

O Presidente dos Estados Unidos condenou o Governo cubano nesta quinta-feira, 22, pela repressão aos manifestantes pela liberdade e impôs sanções ao ministro da Defesa e à divisão de segurança interna que liderou os ataques aos manifestantes.

“Condeno inequivocamente as detenções em massa e os falsos julgamentos que condenam injustamente à prisão aqueles que ousaram falar para intimidar e ameaçar o povo cubano ao silêncio”, disse Joe Biden ao anunciar as sanções.

O Presidente reiterou que “o povo cubano tem o mesmo direito à liberdade de expressão e reunião pacífica que todos os povos” e reiterou que “os Estados Unidos estão ao lado dos bravos cubanos que tomaram as ruas para se opor a 62 anos de repressão sob o regime comunista”.

As sanções têm como alvo o ministro Álvaro Lopez Miera e a Brigada Nacional Especial do Ministério do Interior, também conhecida como “Boinas Negras”.

As medidas congelam qualquer activo dos cubanos sob jurisdição dos EUA e proíbem viagens aos EUA, ao mesmo tempo que funciona como uma alerta de pressão.

"Apenas o começo", diz Biden

Ao anunciar as sanções, Joe Biden alertou que as sanções e a condenação do Governo do Presidente Miguel Diaz-Canel foram "apenas o começo e os Estados Unidos continuarão a punir os indivíduos responsáveis pela opressão do povo cubano".

“O nosso apoio ao povo cubano é inabalável e garantimos que os cubano-americanos são um parceiro vital nos nossos esforços para levar alívio às pessoas que sofrem na ilha”, destacou o Presidente, revelando estar “a trabalhar com organizações da sociedade civil e o sector privado para fornecer ao povo cubano acesso à Internet que contorne os esforços de censura do regime”.

Além disso, Biden revelou que os EUA estão a rever a sua política de remessas de dinheiro para evitar o roubo desses valores por parte dos funcionários cubanos.

“Promover a dignidade humana e a liberdade é uma das principais prioridades da minha Administração e trabalharemos em estreita colaboração com os nossos parceiros em toda a região, incluindo a Organização dos Estados Americanos, para pressionar o regime a libertar imediatamente prisioneiros políticos detidos indevidamente, restaurar o acesso à Internet e permitir que o povo cubano goze de seus direitos fundamentais ”, concluiu o Presidente americano.

O secretário de Estado Antony Blinken juntou-se ao Presidente na condenação da resposta do Governo cubano aos protestos iniciados a 11 de Julho, quando centenas de pessoas foram presas nas manifestações mais significativas em Cuba em décadas.

Muitos dos manifestantes permanecem ainda sem qualquer contacto com seus familiares.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG