Links de Acesso

Benguela: Dirigente médico critica falta de atenção a serviços de saúde de base e apoia greve


Angola Benguela Edagar Bucassa sindicato dos medicos

Na antevisão da greve dos médicos em Angola, a partir de 6 de Dezembro, um sindicalista médico em Benguelacriticou investimentos em grandes hospitais, em muitos casos com condições aceitáveis, quando centros e postos de saúde não têm medicamentos e serviços de urgência.

sindicalista de Benguela apoia greve dos médicos – 2:17
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:16 0:00

O líder do Sindicato dos Médicos nesta cidade, Edgar Bucassa, alertou para um cenário deplorável na base dos serviços médicos, os centros e postos de saúde, e diz não perceber o investimento em grandes unidades.

“Estamos preocupados em criar hospitais de grande porte, como o ‘Pedalê’ e o centro dos rins, aqui mesmo, mas o povo sofre por não encontrar na base uma dipirona ou paracetamol para baixar a febre, tudo tem de ser comprado”, aponta o sindicalista, lamentando ainda a “falta de um hemograma ou exame para saber a quantidade de plasmódio”.

“Acabamos por sofrer porque não fazemos diagnósticos correctamente. Muitos pacientes nem sequer têm uma maca, dói falar disso, porque o familiar tem de usar o seu próprio carro”, sublinhou.

“O que é que está a acontecer? O que é que se passa? E por esse motivo achamos que devemos fazer uma greve”, conclui.

E foi precisamente num grande hospital, o centro de hemodiálise, há um mês, que a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, foi questionada sobre a falta de medicamentos nas unidades de base, uma das causas da paralisação.

Saúde em Foco: "Em Angola a morte por carência de quadros é uma constante", Dr. Adriano Manuel
please wait

No media source currently available

0:00 0:59:59 0:00

“Temos estado a melhorar na logística de medicamentos e também na assistência laboratorial. Claro que não vamos conseguir resolver todos os problemas num só dia, isto é um processo”, sublinha a governante.

Aumentos salariais, melhoria das condições de trabalho e re-enquadramento do médico Adriano Manuel, afastado da pediatria após ter criticado a situação laboral, são as exigências de uma classe há dois meses à espera de resposta do Ministério da Saúde ao caderno reivindicativo.

Durante a greve, estarão suspensas as actividades de enfermaria e consultas externas, mas os serviços mínimos nos bancos de urgência e cuidados intensivos estarão assegurados.

Ainda assim, Governo e Sindicato dos Médicos avançam para negociações.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG