Links de Acesso

Autoridades moçambicanas cerram fileiras contra desvios da ajuda internacional


Várias mulheres e meninas buscam água num campo de deslocados para sobreviventes do ciclone Idai, Beira, Moçambique, 2 de Abril, 2019.

A directora-geral do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), de Moçambique, Augusta Maita, diz-se preocupada com o aumento do número de pessoas que se queixam de desvio de alimentos e outros bens destinados às vítimas do ciclone Idai, que se abateu sobre a zona centro de Moçambique.

A forma pouco transparente como tem sido feita a distribuição de alimentos é apontada como sendo o ponto fraco do processo de assistência às pessoas necessitadas.

Idai: Equipa médica angolana em Moçambique apoia na campanha de vacinação
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:38 0:00

O Chefe de Estado , Filipe Nyusi, ciente desta fraqueza, ordenou que fosse identificado um parceiro internacional, para trabalhar com o INGC na gestão dos bens da solidariedade nacional e estrangeira.

Esta foi a resposta ao cepticismo de muitas pessoas relativamente à gestão da ajuda recebida, tanto em dinheiro como em espécie.

Augusta Maita reconhece haver muitas queixas de má gestão, mas diz que as pessoas devem apresentar provas.

"Ajudem-nos a monitorar, ajudem-nos a controlar e a vigiar, e dêm-nos informação concreta sobre esses casos, para nós podermos agir; neste processo, naturalmente, algumas coisas que não estão ao nosso alcance, podem acontecer", admitiu a directora-geral do INGC.

Idosos abandonados num centro de apoio recebem ajuda depois do Idai
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:05 0:00

Maita afirmou que INGC reforçou o sistema de monitoria do processo de distribuição de produtos pelas pessoas necessitadas.

Ela também realçou que, tendo em conta o facto de se estar em fase de assistência alimentar, o INGC entende que o Programa Mundial de Alimentação (PMA) tem melhores condições para apoiar a instituição neste processo.

Entretanto, o secretário-geral da Frelimo, Roque Silva, advertiu que "aqueles que meterem a mão naquilo que as organizações e pessoas de bem estão a doar para mitigar o sofrimento da população, serão levados a tribunal e punidos exemplarmente".

Entrevista exclusiva: Daviz Simango diz que cerca de 100 mil famílias na Beira precisam de apoio
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:32 0:00

Vários relatos têm dado conta de roubo de bens destinados às vítimas do ciclone Idai, mas ainda não foram feitas detenções relacionadas com esta situação.

Saiba mais em Especial Ciclone Idai

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG