Links de Acesso

Ataques jihadistas em Moçambique alimentam crise de ajuda, diz ONU


Moçambique, campo de deslocados 25 Junho, Metuge, Cabo Delgado

Os ataques de militantes no norte de Moçambique criaram um "agravamento da crise humanitária", disse as Nações Unidas nesta quarta-feira, estimando que mais de meio milhão de pessoas já tenham fugido de suas casas.

Desde 2017, um obscuro grupo jihadista conhecido como Ahlu Sunnah Wa-Jama tem causado devastação na província de Cabo Delgado, rica em gás, saqueando vilas em uma campanha para estabelecer um califado islâmico.

Depois de prometer lealdade ao grupo do Estado Islâmico em 2019, os jihadistas escalaram ataques, às vezes realizando decapitações e raptando mulheres e crianças.

Pelo menos 2.500 pessoas morreram, mais da metade delas civis, de acordo com o grupo Armed Conflict Location & Event Data (ACLED). Milhares fugiram de suas casas, principalmente em busca de refúgio com amigos e parentes na capital regional, Pemba.

"As Nações Unidas estão profundamente preocupadas com o agravamento da crise humanitária e a escalada da violência que obrigou milhares a fugir na província de Cabo Delgado", disseram os directores da África Austral e Oriental da ONU numa declaração conjunta. "De acordo com o governo, os ataques de grupos não estatais forçaram mais de 565.000 pessoas a fugir ... abandonando suas plantações e meios de subsistência.

A falta de alimentos, saneamento e educação entre os deslocados será agravada pela próxima estação chuvosa e pela pandemia do coronavírus, acrescentaram.

A ONU alertou que as famílias desenraizadas "dependem completamente da ajuda humanitária" e pediu mais ajuda e recursos para ajudá-las a começar do zero.

"Calculamos que 1,6 milhão de pessoas precisam de ajuda", disse a coordenadora residente da ONU em Moçambique, Mytra Kaulard, em conferência de imprensa virtual. “Há uma epidemia de cólera em Cabo Delgado que lutamos para conter”, acrescentou.

A declaração da ONU coincide com uma visita de três dias do ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, para discutir a deterioração da segurança em nome da União Europeia.

O exército de Moçambique tem lutado para recuperar o controle de Cabo Delgado, que também abriga os três maiores projetos de gás natural liquefeito (GNL) da África. Grandes extensões de território foram tomadas por militantes, incluindo a principal cidade portuária de Mocímboa da Praia - cerca de 60 quilómetros o sul de um projeto de exploração de gás de 20 biliões liderado pela gigante francesa de energia Total. A empresa suspendeu a construção de seu local de GNL no final de dezembro devido à insurgência.

O presidente moçambicano, Filipe Nyusi, encontrou-se esta semana com o CEO da Total, Patrick Pouyanne, e prometeu "estabelecer um plano de segurança" para proteger o projecto.

(AFP)

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG