Links de Acesso

Assembleia Geral da ONU confirma cinco países para o Conselho de Segurança


Sala do Conselho de Segurança da ONU

Assembleia Geral da ONU votou nesta sexta-feira para conceder mandatos de dois anos no Conselho de Segurança de 15 nações a cinco países.

A Albânia, Brasil, Gabão, Gana e os Emirados Árabes Unidos concorreram sem oposição aos lugares disponíveis nos seus grupos regionais, e cada um obteve a maioria necessária de dois terços dos votos secretos.

Começarão os seus mandatos a 1 de Janeiro de 2022.

O conselho trata de questões de paz e segurança internacionais. Tem o poder de enviar forças de manutenção da paz para pontos problemáticos e de sancionar maus actores. Novos membros trazem diferentes experiências, perspectivas e interesses nacionais para o conselho e podem subtilmente afectar a dinâmica entre os seus membros.

O conselho tem actualmente na sua agenda várias crises do Médio Oriente, incluindo a situação e os conflitos israelo-palestinianos, na Líbia, Síria e Iémen.

Richard Gowan, director da ONU para o International Crisis Group e observador de longa data da ONU, diz que os Emiratos Árabes Unidos podem desempenhar um papel nessas áreas e noutras.

Gowan observa que a Albânia é um país que "viu a ONU falhar terrivelmente na sua região no passado".

A ONU não conseguiu travar a guerra dos Balcãs no início dos anos 90, o que levou a bombardeamentos da NATO em 1995. Depois, em 1999, a etnia albanesa do Kosovo lutou contra os sérvios para conquistar a independência.

"O principal interesse da Albânia na agenda da ONU continua a ser, naturalmente, o Kosovo, mas o Conselho de Segurança só tem agora uma influência muito limitada no Kosovo", disse Gowan à VOA.

A Embaixadora dos EAU, Lana Nusseibeh, observou que o trabalho do Conselho não termina quando as rsoluções são adoptadas.

"Os EAU farão parte da coligação que fala para reforçar o mais possível a natureza orientada para os resultados do conselho", disse ela, acrescentando que o conselho é mais eficaz quando está unido.

Mas, nos últimos anos, opiniões divergentes, particularmente entre os seus membros permanentes - Grã-Bretanha, China, França, Rússia e Estados Unidos - têm impedido a acção em questões urgentes.

"O registo do Conselho de Segurança sobre crises recentes tem sido patético", disse Louis Charbonneau, director da ONU na Human Rights Watch, à VOA.

"Quer envolva crimes de guerra em Gaza, violações maciças dos direitos humanos em Myanmar, ou atrocidades na região de Tigray, na Etiópia, o máximo que se pode esperar é uma declaração ocasional de preocupação - e isso se tiver sorte", disse ele.

Os países eleitos na sexta-feira substituirão os membros cessantes Estónia, Níger, São Vicente e Granadinas, Tunísia e Vietname no dia 1 de Janeiro.

Eles irão juntar-se aos outros cinco membros actuais não permanentes: Índia, Irlanda, Quénia, México e Noruega, e os cinco membros permanentes que exercem o direito de veto: Grã-Bretanha, China, França, Rússia e Estados Unidos.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG