Links de Acesso

Assassinato de Anastácio Matavel intimida observadores eleitorais, diz coordenador da Sala da Paz


Anastácio Matavel, Observador eleitoral, Moçambique

O coordenador da plataforma de observação eleitoral Sala da Paz diz que o assassinato do seu membro Anastácio Matavel, pela Policia de Moçambique, cria um clima de medo.

Em resultado disso, “a observação eleitoral será condicionada”, diz Hermenegildo Muhlovo em entrevista exclusiva à VOA em Maputo.

Os elementos da Sala da Paz , sublinha Muhlovo, exigem celeridade na investigação do caso e que os mentores sejam de forma exemplar responsabilizados.

Coordenador da Sala da Paz diz que assassinato de Matavel pela Polícia de Moçambique cria clima de medo
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:37 0:00

Eis resumo da entrevista minutos antes de Muhlovo deixar Maputo com destino à Gaza, onde será realizado, hoje, 9 de Outubro, o funeral de Anastácio Matavel, assassinado nesta segunda-feira.

VOA: Como reage a Sala da Paz ao assassinato de Matavel?

Hermenegildo Muhlovo (HM): Este é um duro golpe para a democracia eleitoral em Moçambique.

Como Sala da Paz, sentimos que este golpe criou um ambiente de intimidação, numa altura em que preparamos o processo de observação da votação de 15 de Outubro.

O observador Anastácio Matavel era uma figura-chave na nossa actividade. Foi um dos percursores da Sala da Paz. Toda a região sul era coordenada pelo seu núcleo.

Foi duro golpe. Estamos chocados.

Hermenegildo Muhlovo, Sala da Paz, Moçambique
Hermenegildo Muhlovo, Sala da Paz, Moçambique

VOA: Golpe que pode ter impacto no vosso trabalho...

HM: Antes, devo dizer que esperamos uma responsabilização exemplar dos assassinos. Esperamos que o caso seja o mais rápido esclarecido.

Claramente que nestas condições não podemos pensar numa observação livre

No norte do país, temos os ataques, em Cabo Delgado; no centro também, temos ataques. E tivemos ainda a xenofobia (no maior circulo eleitoral da diáspora, África do Sul).

Assim, estamos preocupados com a segurança dos nossos observadores. Será, de facto, uma observação condicionada.

VOA: A polícia admitiu que o observador Anastácio Matavel foi morto por seus agentes de forças especiais. Será esse um sinal de que haverá justiça?

HM: Já é um acto positivo a polícia ter reconhecido isso, mas sentimos que resulta da pressão da sociedade civil que denunciou a existência de malfeitores na corporação.

Nós precisamos de medidas enérgicas para garantir que a Policia seja vista como instituição que garante a segurança.

Para nós, a partir disto (responsabilização dos assassinos de Matavel) deveria ser feita uma limpeza na policia para tirar outros com comportamentos de risco, sem esperar por actos macabros.

VOA: A Polícia sempre recusou ter esquadrões de morte...

HM: A Policia a partir deste momento tem a oportunidade de provar o contrario.

Existe pouca celeridade na resolução de conflitos eleitorais, o que favorece a acção de malfeitores. Cria um ambiente de desconfiança.

É necessário que a policia seja célere na resolução deste caso.

VOA: Tem havido algum apoio após o assassinato de Matavel?

HM: Temos mantido comunicação com a família (de Matavel), mas não sentimos um braço solidário da Policia.

A Polícia deve sair com uma mensagem encorajadora para os observadores. Sentimos que a policia deve fazer um pouco mais.

Sentimos falta de pronunciamento do governo. É necessário pronunciar-se para justamente garantir eleições tranquilas.

Estranhamente ainda não tivemos nenhum pronunciamento dos partidos políticos, que beneficiam da observação eleitoral.

VOA: Será que a observação eleitoral é desejada?

HM: Devo dizer que nós queremos contribuir para a integridade das eleições. Foram assinados acordos de paz e a observação eleitoral é que deve garantir isso.

Para tal, queremos também pedir as autoridades eleitorais para facilitar a credenciação de observadores. Temos tido dificuldades em Nampula e Zambézia.

E esperamos que os autores morais (do assassinato de Matavel) sejam trazidos à superfície, de modo a desencorajar outros que pretendam prejudicar o trabalho de observação eleitoral.

Hermenegildo Mulhovo é director-executivo do Instituto para a Democracia Multipartidária (IMD), que criou a plataforma Sala da Paz.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG