Links de Acesso

Ano agrícola em certas zonas da Huíla "está perdido"


Ameaça de fome paira sobre a região

Chuvas caíram esta semana em zonas afectadas pela seca na província angolana da Huíla mas para os camponeses foram poucas e chegaram demasiado tarde.

A revelação é do padre Pio Wakussanga que trabalha na região.

Seca no sul de Angola - 3:48
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:47 0:00

Na semana passada um estudo revelado no Lubango indicou que mais de um milhão de pesoas estavam afectadas gravemente pela seca nas províncias da Huíla, Namibe e Cunene.

Padre Pio Wacussanga
Padre Pio Wacussanga

“Muitas famílias não conseguiram cultivar os seus campos”, disse Wakussanga, acrescentando que se a chuva “continuar a caír neste ritmo ainda teremos algum sorgo mas nem pensar em ter milho que está perdido”.

“Em geral o ano agrícola nesta região está perdido e isto é igual à fome”, acrescentou.

Em quatro aldeias há já 128 “idosos e vulneráveis” que precisam urgentemente de alimentação, revelou aquele responsável católico.

No Namibe e no Cunene a situação é semelhante com as populações a terem esperança de que estas chuvas tardias “façam crescer algum sorgo e o capim para o gado e isso é tudo”.

A seca nestas regiões de Angola é endémica e o padre lamentou que não exista “um plano de contingência por parte do Governo central”.

“Desde 2013 que se fala deste plano de contingência mas até agora não existe”, concluiu.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG