Links de Acesso

Angolanos preocupados com possível ruptura dos stocks alimentares


Os angolanos receiam que o pais não tenha capacidade para reduzir o impacto do novo coronavírus e que possa existir a ruptura das reservas alimentares. Nesta rurbica vamos ouvir o médico Adriano Manuel, a empresária Filomena Oliveira e o analista político Faustino Conceição.

A confirmação dos primeiros casos de Coronavírus e a declaração do
estado de emergência em Angola, são desafios que os angolanos vão ter
de se submeter agravando, ainda mais, a sua já débil situação social e
económica.

O primeiro impacto do coronavirus em Angola reflectiu-se na subida
galopante dos preços dos bens de primeira necessidade e nos preços do
material de protecção contra esta pandemia global. Para falar sobre o tema o médico Adriano Manuel, a empresária Filomena Oliveira e o analista político Faustino Conceição. (para escutar carregue no link a seguir)

Angola, preocupaçōes alimentares com o estado de emergência
please wait

No media source currently available

0:00 0:17:31 0:00

As autoridades angolanas, à semelhança de outras calamidades que
assolaram o pais, parecem revelar-se incapazes de controlar a situação e sem condições de prevenção junto das populações.

Várias medidas, todavia, foram tomadas pelas autoridades e o
ministério da saúde decidiu actualizar, diariamente em conferência de
imprensa, as informações sobre a evolução da situação do Covid-19.

A reunião do conselho da república que juntou várias sensibilidades
dos pais, deliberou garantir a realização de testes a todos os
cidadãos provenientes de países de circulação comunitária do vírus,
assim como a implementação de medidas urgentes que impeçam a
concentração de pessoas nos mercados informais.

Por outro lado, o Banco Nacional de Angola recomendou, recentemente à
banca comercial que apoie as encomendas dos importadores de
bens alimentares, aconselhando mercados com moeda desvalorizada para
evitar efeitos cambiais sobre o preço dos produtos.

A capacidade do pais enfrentar o impacto negativo do Coronavírus na
vida das populações, é a grande incerteza entre a sociedade angolana,
que receia a ruptura das reservas alimentares. Em causa está o facto
da maioria da população viver dependente do mercado informal.

A falta de equipamentos de biosegurança é, nesta altura, a grande
questão que pode comprometer os esforços das autoridades angolanas
para mitigar os efeitos da propagação do virus que já se instalou no
pais.

O médico Adriano Manuel, também Presidente do Sindicato dos
Medicos de Angola, receia que os profissionais de saude sejam as
segundas vitimas desta pandemia, caso não forem tomadas as medidas
necessárias.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG