Links de Acesso

Angola: Um país de histórias mirabolantes à espera que uma câmera as revele


Filmes angolanos ganharam prémios em Lisboa

Angola é “um país de histórias mirabolantes à espera que uma câmara as revele”, disse Marta Lança curadora do Arquiteturas Film Festival Lisboa que decorreu recentemente na capital portuguesa e no qual dois filmes angolanos foram premiados.

Cinema angolano com muitas histórias para contar - 18:30
please wait

No media source currently available

0:00 0:18:30 0:00

PARA LÁ DOS MEUS PASSOS da realizadora Kamy Lara e AR CONDICIONADO do realizador Fradique foram os vencedores dos prémios de Melhor Documentário e Melhor Ficção da 8ª edição do festival que decorreu na capital portuguesa de 01 a 06 de junho de 2021.

O filme AR CONDICIONADO havia sido nomeado como Melhor Longa de Ficção, numa edição em que Angola foi o país convidado do festival.

Durante o período em que decorreu o festival, no Cinema São Jorge em Lisboa, o Arquitecturas Film Festival exibiu na abertura do evento o documentário PARA LÁ DOS MEUS PASSOS.

De Angola foram ainda exibidos os filmes “Elinga Teatro 1988/2018”, “Uma Festa Para Viver “, “Afectos de Betão — Zopo Lady”, “Luanda: A Fábrica da Música”, “O Herói”, “A Ilha dos Cães”, “Mulheres” e “Cartas de Angola”.

Ngoi Salucombo director criativo da Geração 80 disse sentir-se feliz pelos prémios e pela partilha das nossas histórias.

“Por todas as dificuldades em fazer filmes em Angola, é quase mágico receber alguma distinção num determinado festival de cinema”, disse.

Ngoi Salucombo da Geraçāo Oitenta
Ngoi Salucombo da Geraçāo Oitenta

“É maravilhoso dar a conhecer ao mundo as muitas histórias de vida de um país que ainda se levanta dos escombros da guerra”, acrescentou Salucombo

Por outro lado, a jornalista Marta Lança curadora do Arquitecturas Film Festival disse que “os angolanos têm vivido experiências extremas como a conquista pela independência, conflitos bélicos de longa duração, amarguras políticas e alta oscilação económica” e isso significa que “qualquer angolano dava um filme biográfico imperdível.

Angoll,a disse, é “um país com pouca produção cinematográfica que é um viveiro de histórias mirabolantes à espera que uma câmara as revele”.

No cinema angolano GERAÇÃO 80 é uma produtora angolana que nasce de uma geração pós-Independência, urbana, dinâmica e apaixonada por desafios, uma produtora de angolanos para angolanos.

Receptiva a todas as entidades e culturas do mundo, a Geração 80 pretende, contudo, explorar a identidade angolana e contar as suas histórias na primeira pessoa.

Fundada em Julho de 2010, a produtora tem desde então oferecido serviços de qualidade no campo de vídeo e fotografia.

Com Angola como cenário, a Geração 80 já assinou diversas produções, entre as quais documentários, curtas-metragens, publicidades, videoclipes, vídeos corporativos e institucionais.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG