Links de Acesso

Angola Fala Só: Bilhete de Identidade de Adalberto Costa Júnior


Adalberto Costa Júnior, líder da UNITA, Angola

Nesta Sexta-feira, 14 de Fevereiro, o Angola Fala Só tem como convidado Adalberto Costa Júnior, líder da UNITA. Costa Júnior encontrou-se com o Presidente João Lourençou na Quarta-feira da semana anterior, 5, para conversar sobre a revisão constitucional, a reestruturação da Comissão Nacional Eleitoral (CNE) e a devolução do património da UNITA.


Formado em Engenharia Electrotécnica, a política entrou na sua vida ainda muito jovem. Tem cartão de militante da UNITA desde 1975, que integrou por influência familiar e algumas situações que reforçaram convicções e que o afastaram do MPLA, exemplo o 27 de Maio.

Nome: Adalberto Costa Júnior

Data de Nascimento: 8 de Maio 1962

Local de Nascimento: Quinjenje (na altura pertencia a Benguela, actualmente pertence administrativamente ao Huambo)

Estado civil: Casado

Filhos: 3

Profissão: Actual presidente da UNITA. Foi eleito deputado em 2017. Trabalhou como diplomata de 1989 até 2002. Foi representante da UNITA em Portugal, Espanha, Itália.

Formação: Engenharia Electrotécnica pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto; Formação em Ética Pública na Universidade Gregoriana em Roma

Destino em Angola: Serviço - gostava de ser autarca de Benguela, deixar a confusão de Luanda

Lema de vida: "O político deve servir e não servir-se"

Curiosidades: Gostava de se dedicar à família, quando tiver mais tempo e à educação, gostava de leccionar um dia para passar o conhecimento

Hobbies: Não tem muito tempo fora da vida política ("Angola está a regredir e rouba-nos mais tempo")

Música: Sempre que pode sai para ouvir boa música, porque "é preciso interagir e passar a mensagem de uma sociedade que se está a desenvolver"
O semba é a música que mais lhe toca a alma, mas ouve de tudo um pouco consoante o estado de espírito.

Onde estava 11 de Novembro de 1975?
"No Seminário do Quipeio, na Cáala (Huambo), que formou muito boa gente, formação de excelência. Os padres anteciparam-nos algum conhecimento do processo político-histórico. A revolução dos cravos não nos apanhou completamente no escuro. Todos tínhamos famílias na guerra, portanto víamos uma oportunidade de paz, foi um momento de grande euforia".

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG