Links de Acesso

Angola Fala Só - Pedro de Boaventura: "A laicidade não significa que a Igreja faz o que quer"


Pedro de Boaventura, Bastonário da Ordem dos Pastores Evangélicos em Angola

Bastonário da Ordem dos Pastores Evangélicos adverte que a liberdade de religião é reconhecida pela Constituição

9 Nov 2018 AFS - Pedro de Boaventura: "A laicidade não significa que a Igreja faz o que quer"
please wait

No media source currently available

0:00 1:00:00 0:00

Alguns dos pontos da proposta de lei sobre a liberdade de religião e culto podem vir a dificultar o trabalho das igrejas e “não favorecem o exercício do ministério pastoral”, disse o reverendo Pedro de Boaventura, bastonário da Ordem dos Pastores Evangélicos de Angola.

Ao participar no programa “Angola Fala Só”, aquele pastor sublinhou “entre outros pontos” a questão de se exigir 100 mil membros para que uma confissão religiosa adquira personalidade jurídica.

Para Pedro de Boaventura “isso viola o direito fundamental de liberdade religiosa e é aí que começa a nossa discordância”.

“Felizmente estamos num país democrático e temos a liberdade de colocar as nossas opiniões enquanto parceiros do estado”, acrescentou o bastonário.

Interrogado sobre a proliferação de seitas, o pastor evangélico começou por sublinhar que “cada cidadão é livre de exercer a sua liberdade de consciência e religião”.

Contudo, disse, falta um instrumento ou organização “capaz de fazer um acompanhamento mais adequado para se verificar de facto onde estão e como exercem a actividade”.

“Estamos a tentar contribuir junto do Estado para darmos a nossa contribuição e dirimirmos este mal”, avancou, acrescentando que "o papel da Ordem dos Pastores Evangélicos é trabalhar com os órgãos do Estado para encontrarmos e identificar onde os males existem para contribuir para que isso seja dissipado”.

Mais à frente, Pedro de Boaventura deixou claro que a laicidade do Estado “não significa que o Governo deixa que as igrejas façam o que lhes apetece”.

Durante o programa, o reverendo acautelou ainda que muitas “seitas” apesar de não terem personalidade judicial legal têm feito contribuições para a sociedade “tirando pessoas de vidas desastrosas para um convívio social são”.

“É preciso identificar quem são seitas e quem não são seitas”, sublinhou, esclarecendo não concordar com os que dizem que "são seitas aquelas organizações que não têm personalidade jurídica".

Questionado sobre a Operação Transparência, Pedro de Boaventura defendeu a legitimidade do Estado em avançar com a iniciativa porque, concluiu, "visa eliminar certos males que existem, embora muitass coisas devem ser acauteladas".

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG