Links de Acesso

Analistas advertem para "ameaças" da crise política guineense


País aguarda indicação de novo primeiro-ministro

Uma missão da União Africana (UA) encontra-se em Bissau, para tentar desbloquear o impasse político, com a não nomeação do novo primeiro-ministro pelo Presidente da República, José Mário Vaz, cujo mandato termina no domingo.

Na opinião do analista poliítico Rui Landim a presença da missão da UA expressa algum sinal de preocupação sobre a situação politica vigente no país:

Analistas advertem para "ameaças" da crise política guineense
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:14 0:00

"A União Africana aparece aqui como resultado de uma situação preocupante. Foram feitas as eleições justas e transparentes, mas que se viu deteorizar-se bastante. É preocupante esta situação", sublinhou aquele antigo técnico da CEDEAO, para quem a preocupação das organizações internacionais, entre as quais, a União Africana, assenta-se no facto, de, na sua opinião, a actitude do Presidente da Republica, José Mário Vaz, representar “uma negação a democracia” na Guiné-Bissau:

"Há uma implícita negação da democracia. Há um desprezo total pela população, pelo povo e de tudo quanto são as instituições. E, naturalmente, as organizações internacionais, neste caso, a União Africana, não podem deixar que haja alguém a criar situação para por em perigo a paz e segurança em todo continente", concluiu Landim.

O especialista em diplomacia internacional, Timóteo Sabá M’Bundé, disse à VOA que no plano internacional, a Guiné-Bissau "é um país, cada vez mais, fragilizado, cujos problemas devem ser resolvidos a partir do enganjento da própria comunidade internacional".

M´Bundé destaca que "a soberania(da Guiné-Bissau), neste momento, não lhe garante resolver os seus problemas a nível local, enquanto país cada vez mais fragilizado".

A presença da União Africana acontece na semana em que termina o mandato do Presidente da República, José Mário Vaz, a 23.

Vaz tem marcado para amanhã um encontro com os actores políticos e da sociedade civil comv ista à marcação das eleições presidenciais que, para a ONU, devem acontecer este ano.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG