Links de Acesso

Amnistia Internacional exige investigação independente aos confrontos em Cafunfo


Repressão policial na Lunda Norte

AI e OMUNGA apontam para, pelo menos, 10 mortos e muitos desaparecidos

A Amnistia Internacional (AI) insta as autoridades angolanas a abrir uma investigação independente aos confrontos registados no sábado, 30, em Cafunfo, na província da Lunda Norte, os quais, segundo informações de que dispõe, terminaram com pelo menos 10 mortos, embora existam muitos desaparecidos.

Amnistia Internacional pede investigação isenta a mortes na Lunda Norte – 1:23
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:23 0:00


“As autoridades angolanas devem lançar uma investigação rápida, completa, independente, eficaz e transparente sobre as mortes e levar os suspeitos da sua autoria à justiça em julgamentos justos que cumpram os padrões internacionais”, defende Muleya Mwananyanda, vice-directora daquela organização de defesa dos direitos humanos para África Austral, que ainda exige que “as vítimas e suas famílias tenham acesso à justiça e a meios eficazes”.

“A Amnistia Internacional pode hoje confirmar que desde 30 de Janeiro, as forças de segurança angolanas mataram pelo menos 10 pessoas, enquanto as autoridades continuam a caçar manifestantes pacíficos cujo único ´crime´ é falar contra as condições de vida deploráveis”, revela a AI num comunicado divulgado nesta terça-feira, 2, juntamente com a organização não governamental angolana OMUNGA

João Malavindele, director executivo da OMUNGA acrescenta que “o número exacto de mortos não é conhecido, pois a maioria dos manifestantes ainda está desaparecida, mas relatos não confirmados indicam que um maior número de activistas continua desaparecido e que alguns corpos podem ter sido despejados no rio Cuango nas últimas duas horas”.

A nota cita um vídeo que circula nas redes sociais, feito na manhã de 30 de Janeiro, horário local, que mostra vários corpos no chão, enquanto um polícia pontapeia e pisa a cabeça de uma vítima gravemente ferida”.

Ao exigir uma investigação independente e transparente que leve os autores dessas violações dos direitos humanos, a AI e a OMUNGA lembra que “têm denunciado o uso de força excessiva, abusiva e mesmo letal pelas forças de segurança angolanas para lidar com violações das medidas de saúde pública da Covid-19 e manifestações pacíficas desde 2020”.

As duas organizações registaram 11 mortes em 2020 pelas forças de segurança, mas acreditam que o “verdadeiro número de mortos provavelmente será muito maior”.

A reacção da AI e da OMUNGA segue a confrontos mortais em Cafunfo no sábado quando cerca de 300 manifestantes, convocados pelo Movimento Protectorado da Lunda Tchokwe, pretendiam realizar uma marcha para pedir um diálogo com o Governo sobre a situação das Lundas, uma região riquíssima em minérios, mas em que os níveis de miséria são muito elevados.

A repressão policial deixou um número desconhecido de vítimas mortais, de seis que afirmam as autoridades a 27, de acordo com algumas fontes independentes.

Vários sectores da sociedade civil e política condenaram a actuação da PN e de outros forças de segurança, enquanto o comandante geral da corporação, Paulo de Almeida, exigiu um inquérito para levar à justiça os autores do que ele chamou de “atentado” por parte dos manifestantes.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG