Links de Acesso

Activista Luaty Beirão detido enquanto fazia uma "live" sobre as manifestações em Luanda


Polícia angolana usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes durante protesto anti-governo no dia da independência em Luanda, Angola, 11 nov 2020.

Correspondente da Reuters também foi agredido e retido por momentos

O rapper e activista angolano Luaty Beirão foi detido nesta quarta-feira, 11, e viu o seu telefone retirado por agentes da Polícia Nacional (PN) quando transmitia em directo uma caminhada com outros cidadãos.

Luaty dirigia-se a um dos locais onde estava prevista uma manifestação contra a alta taxa de desemprego e pela realização de eleições autárquicas, no dia em que se assinala o 45º aniversário da independência nacional.

O correspondente da agência Reuters, Lee Bogotá, também foi agredido e retido pela polícia.

Angola: activista Luaty Beirão é revistado pela polícia, que lhe tirou câmara GoPro
please wait

No media source currently available

0:00 0:06:58 0:00

A ordem de prisão a Luaty Beirão foi dada ao vivo quando usava o Facebook para transmitir a sua caminhada.

“Está detido”, disse o polícia que lhe pediu para acompanhar à esquadra, mesmo depois do activista ter informado aos agentes que tudo estava a ser transmitido pela internet.

Durante a transmissão, que terá durado cerca de 15 minutos, Luaty Beirão critica a proibição das manifestações, mas congratula-se com o que, segundo ele, já foi conseguido.

Luaty Beirão detido durante "live" em Luanda
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:06 0:00

"O que já se conquistou não se retira, senhor Presidente, senhor Procurador-Geral da República, senhor comandante, Angola não é vossa, não é minha nem das pessoas que aqui estão comigo, é de todos", afirmou o activista enquanto caminhava, seguido por pessoas, a quem ele pedia que mantivessem o distanciamento físico.

Ao questionar a ordem de evitar aglomerações, Luaty diz que "João Lourenço inaugurou um hotel, mas aí já não é ajuntamento, só há ajuntamentos é na rua".

Noutro momento da “live”, o activista e músico lembra que “o país não tem dono, as ruas não têm dono, a gente quis acreditar que havia alguns espaços a serem dados, e há alguns espaços a serem dados, não pode é haver aceitação que esses espaços sejam retirados, esses recuos é que não podem ser tolerados”.

A PN reprimiu várias tentativas de manifestações em várias cidades angolanas, com o argumento de que o decreto presidencial de 23 de outubro impede aglomeração de mais de cinco pessoas para evitar a propagação da Covid-19.

Jornalista detido

Em Luanda, o correspondente da agência Reuters, Lee Bogotá, foi agredido pela polícia, que também atentou contra o seu material de trabalho, e foi detido por alguns momentos.

Polícia angolana bloqueia acesso a local de protesto em Luanda
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:02 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG