Links de Acesso

Abel Chivukuvuku vê "mão" do MPLA no eventual chumbo ao seu projeto político e deixa avisos


Abel Chivukuvuku (Foto de Arquivo)

O Tribunal Constitucional (TC) de Angola chumbou o recurso interposto para a legalização do projeto político, Partido do Renascimento Angolano - Juntos por Angola (PRA-JA) - Servir Angola, liderado por Abel Chivukuvuku, segundo disse à televisão pública TPA, o diretor do Gabinete dos Partidos Políticos daquele órgão, Juvenis Paulo.

Em entrevista à VOA, nesta quinta-feira, 23, Abel Chivukuvuku diz não ter sido infomado da referida decisão e que, segundo soube, não houve qualquer delibreração.

Abel Chivukuvuku vê "mão" do MPLA no eventual chumbo ao seu projeto político e deixa avisos- 4:00
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:38 0:00

Ele vê a “mão” do MPLA na notícia e não refuta, por agora, integrar uma eventual lista da UNITA nas eleições de 2022.

“O Tribunal Constitucional comunicou-nos que a nível do tribunal não existe nenhuma deliberação, uma vez que, o próprio plenário ainda não se reuniu”, assegura Chivukuvuku, lembrando que o TC não notifica as partes pela televisão.

“Desta vez ouvimos pela TPA, na voz de um funcionário Júnior, contactámos a secretaria judicial do tribunal e disseram-nos que não existe nada”, sublinha.

A mão do MPLA

Entretanto, acrescenta ter sido informado que “poderá haver uma reunião do plenário hoje, mas o que me custa acreditar é como o MPLA esvazia as instituições”.

“Um dia dormimos e acordamos porque já estamos numa ditadura”, adverte Abel Chivukuvuku.

Questionado se o MPLA o persegue e por quê, responde sem rodeios: “medo e fraqueza, é so isso”.

Em relação à posição que pode vir a tomar caso o chumbo do seu projeto político for confirmado, Chivukuvuku afirma estar claro que é uma decisão tomada pelo MPLA.

“Houve uma reunião do secretariado do BP do MPLA em que foi dada esta orientação. Agora o importante é combater esta práticas com ativismo e outras formas”, sustenta.

Regresso à UNITA

Uma corrente dentro da UNITA, principal partido da oposição, tem defendido o regresso à organização, na qual Abel Chivukuvuku fez-se militar, sustentado a patente de Brigadeiro.

Questionado se poderá aceitar ser candidato a vice-presidente nas eleições gerais na lista da UNITA, Chivukuvuku afirma que a prioridade atual é a legalização do projeto político PRA-JA, “mas eu nunca fecho nenhuma porta, se a porta estiver fechada temos a janela se a janela estiver fechada temos o teto”.

Seguidores e MPLA

Entretanto, hoje, mais de duas dezenas de apoiantes de Abel Chivukuvuku saíram hoje as ruas de Luanda para protestar contra a eventual rejeição da legalização do partido.

Recorde-se que, recentemente, o MPLA, através do seu porta-voz Albino Carlos, negou qualquer envolvimento do partido em decisões das instituições judiciais porque, segundo o ele, o partido “trabalha no sentido de criar as condições para que as instituições de justiça trabalhem sem interferências políticas”.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG