Links de Acesso

É difícil cobrir a insurgência em Cabo Delgado, diz o jornalista moçambicano André Baptista


Mulher e seu filho vítimas de ataques, Aldeia da Paz Macomia, 2019.

A província de Cabo Delgado, que desde 2017, é alvo de ataques de insurgentes do Estado Islâmico, tal como dizem as autoridades moçambicanas, é uma das áreas onde ser jornalista é uma atividade de alto risco, afirma o jornalista André Baptista.

Baptista, que é dos poucos que cobrem a insurgência, conta que, na sua recente viagem, notou que as pessoas vivem “cheias de medo, incerteza e insegurança” ao ponto de evitar falar publicamente sobre a insurgência ou assuntos relacionados.

Na capital, Pemba, “Há uma ação das forças de segurança” para manter esse clima, diz Baptista.

Insurgência em Cabo Delgado: Aumenta brutalidade militar na região
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:33 0:00

Os jornalistas locais, depois do recente e misterioso desaparecimento do repórter Ibraimo Mbaruco e da detenção pelas autoridades de Amade Abubacar, “desenvolveram a autocensura” e praticamente não fazem menção à guerra no seu trabalho.

Esses “atentados contra jornalistas contribuíram para silenciar a imprensa”, diz o jornalista que sublinha que “a maior parte da cobertura é de órgãos internacionais ou seus correspondentes nacionais”.

Acompanhe a conversa com André Baptista, correspondente da VOA:

É difícil cobrir a insurgência em Cabo Delgado, diz o jornalista moçambicano André Baptista
please wait

No media source currently available

0:00 0:17:41 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG