Links de Acesso

África do Sul aprova o uso de 1.495 militares para ajudarem Moçambique a  combater aos insurgentes


Membros das SANDF

Operação orçada em 66 milhões de dólares americanos

O presidente sul-africano Cyril Ramaphosa autorizou o uso de 1.495 militares para ajudar o vizinho Moçambique a lutar contra uma insurgência ligada ao Estado Islâmico, disse o parlamento na quarta-feira.

O uso da Força de Defesa Nacional da África do Sul (SANDF) surge depois do bloco regional da África Austral SADC, no mês passado, ter aprovado o envio de tropas a Moçambique para combater um conflito que começou em 2017 e já matou milhares.

Ramaphosa disse que o pessoal do SANDF seria usado entre 15 de Julho e 15 de Outubro a um custo estimado de 984 milhões de rands (US $ 66,3 milhões), lê-se numa carta enviada ao presidente do parlamento.

Na carta, Ramaphosa referiu-se especificamente à autorização do uso de membros das SANDF e não especificou quantos soldados seriam destacados em solo moçambicano.

O conflito na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, deslocou centenas de milhares de pessoas e paralisou um projecto de gás natural liderado pela empresa francesa Total Energies.

Na altura em que as países da SADC autorizaram o envio da força de prontidão do bloco não disseram quantas tropas estariam envolvidas.

A carta de Ramaphosa disse que os militares da África do Sul ajudariam Moçambique a combater "actos de terrorismo e extremistas violentos que afectaram a área de Cabo Delgado".

Sinais de segurança em Cabo Delgado
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:38 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG