sexta-feira, 01 agosto, 2014. 13:51 UTC

Notícias / África

Diamantes financiam partido de Mugabe no Zimbabué

A Human Rights Watch manifesta-se preocupada com as receitas dos diamantes poderem financiar actos de violência antes da consulta eleitoral

Diamantes "ilegais" à venda em Manica, cidade moçambicana perto da fronteira com o Zimbabué
Diamantes "ilegais" à venda em Manica, cidade moçambicana perto da fronteira com o Zimbabué
Selah Hennessy
— A falta de transparência na venda de diamantes continua a ser um grande problema no Zimbabué e os activistas receiam que as receitas possam ser utilizadas para financiar a campanha do partido do presidente Robert Mugabe no sufrágio que deverá decorrer no próximo ano.

Em 2009 foi imposta uma proibição internacional à venda de diamantes do Zimbabué. A proibição resultou de alegações de que algumas minas eram controladas pelos militares e que as receitas eram desviadas para o partido do presidente Robert Mugabe, a ZANU-PF.


O ano passado a decisão foi cancelada e a organização de fiscalização Kimberley Process deu luz verde ao Zimbabué para vender os diamantes no mercado internacional.

Mas Farai Maguwu, director do Centro para a Gestão dos Recursos Naturais na região leste do Zimbabué, considera existirem muitos problemas para resolver.

O mais importante, sustenta ele, é o desconhecimento dado às receitas da venda dos diamantes.

“A questão de transparência das receitas continua a não ser clarificada. Penso até que as condições pioraram ainda mais. Temos o ministro das Finanças a afirmar que não entram no ministério a maioria das receitas dos diamantes, o que significa que indivíduos e outros grupos de pessoas estão a beneficiar dos diamantes”.

Em Julho, o ministro das Finanças Tendai Biti reduziu o orçamento do Zimbabué para 2012, indicando que as verbas das minas de diamantes não haviam reforçado o país.

A Corporação para o Desenvolvimento das Minas zimbabueanas indicou esperar receber este ano 150 milhões da venda dos diamantes, em vez dos 500 milhões que tinham sido previstos, ou seja uma redução de 75 por cento.

A baixa de lucros, segundo a mesma entidade, resulta das sanções internacionais, especialmente dos Estados Unidos.

Maguwu considera que os militares continuam a desempenhar um papel essencial na indústria de minas do Zimbabué, o que coloca questões sérias sobre a segurança nacional.

“Existe um número considerável de entidades da segurança envolvido nas minas de diamantes. Alguns deles estão nos conselhos de administração de empresas de diamantes e quando existem indivíduos a enriquecerem mais do que o Estado, trata-se de uma receita para a instabilidade política da nação”.

No final deste mês vai realizar-se em Victoria Falls, no Zimbabué, uma conferência sobre diamante.

Maguwu considera que deverá ser avaliada a decisão de fazer regressar o Zimbabué ao Processo de Kimberley, para analisar se a situação no país melhorou desde o levantamento da proibição.

O presidente Robert Mugabe apelou à realização de eleições para ocorrerem em Março próximo.

A directora da Human Rights Watch manifesta-se preocupada com as receitas dos diamantes possam financiar actos de violência antes da consulta eleitoral.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ivan Collinson - Participante Yalii
X
31.07.2014 20:06
Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos