sexta-feira, 12 fevereiro, 2016. 16:10 UTC

    Notícias / Estados Unidos

    EUA: "Precipício fiscal" pode impedir recuperação económica

    Casa Branca e Congresso têm pouco mais de um mês para chegar a um compromisso ou então empurrar eventualmente o país para uma nova recessão.

    Redacção VOA
    Com as eleições presidenciais decididas, o presidente Barack Obama e o Congresso americano voltam agora as suas atenções para o denominado “precipício fiscal”, um conjunto de cortes orçamentais e de aumentos de impostos que devem entrar  em vigor no dia 1 de Janeiro.

    Os republicanos e os democratas têm assim pouco mais de um mês e meio para chegar a um compromisso ou então empurrar eventualmente o país para uma nova recessão.

    A não ser que os dois principais partidos políticos americanos cheguem a um acordo, os cortes orçamentais e o aumento da carga fiscal no montante de 600 mil milhões de dólares entrarão em vigor.



    Os cortes orçamentais afectariam não só as despesas militares favorecidas pelos republicanos mas também os programas sociais apoiados pelos democratas. O partido democrático do presidente Obama controla neste momento o Senado e os republicanos dispõem da maioria na Câmara dos Representantes.

    No que se refere aos impostos, a questão é a de se saber se os cortes que estão em vigor há vários anos devem continuar a partir do final do ano. Essa diminuição da carga fiscal tem vindo a aplicar-se a todos os contribuintes americanos independentemente dos seus rendimentos.

    Os republicanos querem manter as coisas tal como estão mas os democratas acham que os agregados familiares com rendimentos de mais de 250 mil dólares por ano deviam ser excluídos.

    A lei que prevê o termo da diminuição da carga fiscal a partir de 2013 foi redigida como objectivo de obrigar os legisladores a chegarem a um compromisso para reduzir as despesas e diminuir o deficit federal.

    O facto é que até agora não houve qualquer compromisso, mas, os cortes orçamentais e os aumentos dos impostos, têm força de lei devendo entrar4 em vigor a 1 de Janeiro de 2013.

    Muitos economistas dizem que esse cenário poderia reduzir a procura de bens e de serviços, abrandar o crescimento económico, aumentar o desemprego e empurrar de novo o país para uma recessão.

    O deficit federal americano tem vindo a ultrapassar 1 trilião de dólares por ano elevando neste momento a dívida do país a 16 vezes esse montante. O presidente Obama e o Congresso têm agora que decidir até ao princípio do ano se esse limite deve ser ultrapassado e, caso positivo, de que modo fazê-lo.

    O presidente Obama tem afirmado que está disposto a trabalhar num plano para reduzir a dívida nacional ao longo dos anos mas até agora não conseguiu chegar a acordo sobre a questão com os seus opositores políticos.

    No entanto as pressões para impedir o “precipício fiscal” têm vindo a aumentar na sequência das eleições depois da agência de notação financeira Fitch ter afirmado que poderia reduzir  o “rating” dos títulos do tesouro americano se o presidente o Congresso não conseguirem alcançar um entendimento.
    O forúm foi encerrado
    Comentários
         
    Năo existem comentários. Seja o primeiro

    Siga-nos

    Rádio

    AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

    Sexta 16:30 - 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sexta-feira 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

    Os Nossos Vídeos

    Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
    Manchetes americanas 11 de Fevereiro 2016i
    X
    11.02.2016 19:58
    Chris Christie e Carly Fiorina desistem da corrida
    Vídeo

    Vídeo Manchetes americanas 11 de Fevereiro 2016

    Chris Christie e Carly Fiorina desistem da corrida
    Vídeo

    Vídeo Manchetes Americanas 9 de Fevereiro 2016

    Bernie Sanders continua a "dar luta" a Hillary Clinton mas nada está decidido! Já Donald Trump começa a deixar os seus assessores com os nervos a flor da pele
    Vídeo

    Vídeo Passadeira Vermelha #52: Adele, Trump, Kanye West, Will Smith, Jay Z e Akon!

    Adele não quer que Trump use as suas músicas em campanha. Afinal qual é a opinião de Will Smith sobre controvérsia dos Oscars? Kanye West alugou a maior arena de basquetebol de Nova Iorque! Jay-z processado por 18 milhões E a VOA recebeu um verdadeiro VIP esta semana!
    Mais Vídeos