sexta-feira, 31 julho, 2015. 03:03 UTC

Notícias / Estados Unidos

A Casa Branca e os Republicanos encaminham-se para um confronto orçamental

Os conservadores vêm o sequestro como a melhor forma de influenciar as despesas governamentais

Jim Malone
O presidente Barack Obama e os Republicanos do Congresso encaminham-se para um confronto orçamental envolvendo 85 mil milhões de dólares de cortes obrigatórios, no primeiro dia de Março, a menos que os legisladores encontrem uma forma diferente de reduzir o défice.

Os cortes vão afectar tanto as despesas domésticas como as militares, e vão agudizar a batalha política em Washington.

Em Agosto de 2011, o presidente Obama propôs cortes orçamentais obrigatórios como uma forma de reduzir o défice em mais de 1 trilião de dólares, num prazo de dez anos.


A maioria dos analistas previa que o Congresso concordara com a proposta por que os cortes obrigatórios nunca iriam ocorrer e que os legisladores iriam encontrar forma de alcançar compromisso num conjunto de cortes diferentes a tempo de evitar o que muitos consideram com sendo medidas draconianas para reduzir os gastos governamentais.

Todavia o compromisso não ocorreu numa altura de polarização política em Washington e o presidente Obama alertou os legisladores e a opinião pública sobre as consequências dos cortes no seu recente discurso sobre o Estado da União.

“Vão ter efeitos devastadores na educação e na energia e nas pesquisas médicas. Vão muito certamente atrasar a nossa recuperação e custar centenas de milhares de postos de trabalho”.

Os Republicanos não recuam, incluindo o speaker da Câmara, o Congressista John Boehner de Ohio.

“As reduções vão ficar em efeito até que ocorram cortes e reformas que nos coloquem no caminho de um orçamento equilibrado nos próximos dez anos”.

Os analistas indicam que os conservadores vêm agora o sequestro como a melhor forma de influenciar as despesas governamentais.

Norm Ornstein da American Enterprise Institute sustenta que os Republicanos estão a correr risco ao apoiarem os cortes e desafiando o presidente Obama pouco depois da reeleição em Novembro.

Segundo ele o presidente tem vantagem em muitos aspectos, a sua aprovação é elevada, a aprovação do Congresso é baixa e os Republicanos no Congresso tem um índice de aprovação particularmente baixo.

A fim de impedir os cortes do sequestro, o Congresso terá de aprovar um conjunto de cortes orçamentais antes do dia 1 de Março.

Os cortes podem afectar a assistência humanitária internacional e a ajuda militar e isso pode desagradar aos aliados.

Nenhum dos lados parece estar com presa para impedir os cortes automáticos.

Os Republicanos consideram a única forma de reduzir os gastos do governo. Os Democratas acreditam que pode recolher benefício político por que a opinião publica ira responsabilizar os Republicanos por qualquer corte nos serviços governamentais que resultem dos cortes.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Americanas 30 de Julho 2015i
|| 0:00:00
...  
🔇
X
30.07.2015 18:51
Vídeo

Vídeo Amy Winehouse - o filme

No documentário, Amy, o realizador Asif Kapadia conta a história do nascimento e queda da super estrela do jazz Amy Winehouse. Usando filmes caseiros feitos por amigos e produtores de Amy, concertos, entrevistas públicas e sessões de gravações, Kapadia criou um retrato fantástico da cantora
Vídeo

Vídeo Sudão: música salva pessoas da morte

Em 2012 o realizador sudanês Hajooj Kuka realizou um documentário entre os refugiados da Guerra civil no Nilo Azul, Sudão, e na região montanhosa de Nuba. E surpreendeu-se com o que ali viu – a música estava a ajudar a salvar pessoas que estavam a ser alvo de ataques aéreos do seu próprio governo
Mais Vídeos