segunda-feira, 21 abril, 2014. 04:33 UTC

Notícias / Estados Unidos

Estados Unidos continuam à beira do "precipício fiscal"

O presidente Obama e os líderes republicanos não têm sido capazes de ultrapassar as suas divergências para um acordo sobre a redução da dívida.

Mark Zandy da agência financeira Moody´s falando no Congresso americano
Mark Zandy da agência financeira Moody´s falando no Congresso americano
Tamanho das letras - +
Redacção VOA
Dois destacados economistas americanos afirmaram que um acordo para a redução da dívida, que evite grandes aumentos de impostos e cortes nas despesas, poderá impulsionar a economia americana mas apenas se o mesmo contiver também uma solução genuína para os problemas fiscais dos Estados Unidos.

Os dois economistas falavam perante uma comissão do Congresso americano.
Mark Zandy da agência financeira Moody´s afirmou que o dramatismo e a incerteza rodeando as negociações para a redução da divida dos Estados Unidos estão a prejudicar a frágil recuperação económica do país: “ Têm que chegar a um acordo sobre a dívida. A incerteza está a matar-nos”.


Segundo Zandi um acordo abrangente impulsionaria o motor económico americano: “ Se conseguirmos resolver este assunto então poderemos avançar. Vamos criar muitos empregos e a taxa de desemprego baixará de um modo consistente.”

Kevin  Hassett um economista que foi conselheiro do antigo candidato à presidência pelo partido republicano Mitt Romney, concorda com a leitura de Mark Zandy: “ A melhor coisa que podemos fazer pelos desempregados americanos é resolver os nossos grandes problemas.”

O presidente Barack Obama e os líderes republicanos no Congresso não têm sido capazes de ultrapassar as suas divergências acerca de colecta de impostos e de cortes orçamentais necessários para um acordo sobre a redução da dívida.

Mark Zandi afirmou que se a escolha for entre um acordo frágil que adie escolhas difíceis ou então a queda perlo denominado “precipício fiscal”, então escolheria a última das vias: “ Eu não chegaria a um acordo até ao final do ano a não ser que seja um acordo realmente bom. Prosseguiria no ano que vem se isso fosse preciso para chegar a um melhor acordo.”

Contudo o adiamento de um acordo para o próximo ano significaria a entrada em vigor de um severo plano de austeridade, substanciais aumentos de impostos e cortes drásticos no orçamento do governo federal.

Segundo Zandi esse tratamento de choque seria preferível a um acordo menos abrangente, e, segundo aquele destacado economista os problemas que isso causaria a curto-prazo valeriam a pena se isso criasse em Washington uma genuína vontade de por as suas contas em ordem.

O presidente Obama já afirmou que não quer empurrar a América para o “precipício fiscal”, mas entidades oficiais da Casa Branca já estão a preparar-se para a possibilidade das negociações falharem.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 18 de Abrili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
18.04.2014
Vídeo

Vídeo "Temos muitos problemas na Guiné-Bissau", Abel Incada, candidato presidencial

Os guineenses foram às urnas a 13 de Abril e estão expectantes num novo Governo de paz e estável
Vídeo

Vídeo África do Sul vai a votos a 7 de Maio

Na África do Sul, o ANC está em campanha difícil para segurar o seu domínio no Limpopo, onde ganhou 85 por cento dos votos em 2009.
Vídeo

Vídeo Pistorius está no banco dos réus e a acusação tem sido dura

Os acusadores tentaram descrever o atleta sul-africano Oscar Pistorius como egoísta e abusivo durante o segundo dia de interrogatório no seu julgamento por homicídio.
Mais Vídeos